Na Noruega, uma polícia especial para os animais

policia animais

Na Noruega se experimenta uma polícia com competência especial para proteger os animais.

Os noruegueses estão desenvolvendo uma unidade policial especificamente para investigar a crueldade animal. A polícia do condado ocidental de Sor-Trøndelag nomeou três pessoas - um investigador, um jurista e um coordenador - para combater a violência contra os animais, alegando que aqueles que ferem os animais, muitas vezes também praticam violência contra às pessoas.

Em 2014, 38 casos de maus-tratos cometidos contra animais foram denunciados à polícia na Noruega. De acordo com a lei norueguesa, os atos de crueldade contra os animais levam a uma pena máxima de três anos de prisão.

Unidades policiais similares a esta, também estão presentes na Holanda e na Suécia. O objetivo é proteger os animais e ao mesmo tempo, previnir crimes e atentados contra as pessoas.

É pelo mesmo motivo que torturar e matar animais será um crime severamente punido pela lei nos Estados Unidos, como o homicídio, o incêndio doloso ou a agressão. Pessoas que torturam e matam animais, de fato, são propensas à praticar violência também contra as pessoas. É o que dizem alguns estudos e casos históricos.

Jeffrey Dahmer, o "canibal de Milwaukee", tinha empalado cães, rãs e gatos em varas; David Berkowitz, conhecido pelo apelido de “Son of Sam" ou “44 Caliber Killer”, tinha envenenado o papagaio de sua mãe; Albert DeSalvo, o "Estrangulador de Boston", enjaulava cães e gatos em caixas de madeira e os matava, atirando flechas.

No Brasil, foi recente aprovado pela Câmara dos Deputados, um projeto que assevera as penas para quem comete crimes contra animais.

Os animais estão, merecidamente, começando a ser tratados como seres os sencientes que são. 

Leia também: Porquê não visitar o novo aquário de São Paulo e nenhum outro lugar que confine animais