Entenda o caso do estupro de pinguins por focas, na Antártida

caso do estupro de pinguins por focas, na Antártida

O clima na Antártida parece estar mudando. E não estamos falando do aquecimento global, mas sim do caso das focas que foram vistas com um comportamento sexual anômalo e estranhamente violento. Esses animais estavam fazendo sexo com pinguins.

E não foi algo isolado, mais de uma foca foi vista praticando o ato, em várias ocasiões. Tudo isso foi registrado em um filme, cujos detalhes foram publicados na Revista Digital Polar Biology.

Frustração sexual?

O comportamento sexual das focas não surpreendeu de todo os cientistas que testemunharam e registraram o momento. Em 2006, por exemplo, viram pela primeira vez, uma foca tentando copular com um pinguim imperador, em Marion Island, Antártida, que serve de habitat para ambas as espécies.

Ao publicar detalhes sobre a ocorrência, especularam que o ato sexual pode ser atribuído ao comportamento de uma foca frustrada e sexualmente inexperiente. Ou então, de um ato predatório e agressivo – ou até mesmo uma brincadeira, que se tornou sexual.

Com os novos incidentes, houve fatos impressionantes, publicados no estudo "Multiple occurrences of king penguin (Aptenodytes patagonicus) sexual harassment by Antarctic fur seals (Arctocephalus gazella)", na opinião dos especialistas.

O encontro ocasional foi propiciado pelo fato de haver grupos de cientistas que se dedicam a monitorar a vida selvagem das ilhas e perceber comportamentos raros ou pouco usuais.

Foram três situações que envolveram focas e pinguins, duas em Goodhope Bay e uma em Funk Beach. O incidente de 2006 ocorreu em uma praia chamada Trypot.

Padrão em ocorrências sexuais envolvendo focas e pinguins

Em todos os casos, uma foca caçou, capturou e montou em um pinguim. A foca tentou copular diversas vezes, com duração de cinco minutos em cada. Houve um intervalo entre cada tentativa.

O intercurso sexual entre pinguins se dá através de uma cloaca; percebe-se, pelas análises, que foi o local onde as focas penetraram os animais. Em três casos, a foca libera o pinguim; em um, mata e devora o mesmo – esse último procedimento é o comum, sendo as focas predadoras de pinguins.

Hipóteses que justificam o comportamento

Não há nada definitivo que sirva como explicação para os estupros entre os animais. Mas entre as especulações dos cientistas, temos a possibilidade desse comportamento sexual violento ser aprendido pelas focas, na própria ilha, pois elas são conhecidas por sua capacidade de aprendizagem – um exemplo, é a abominável utilização de focas em espetáculos circenses , logo o comportamento tem aumentado pelo fato de outras focas testemunharem situações semelhantes e imitarem também.

Entretanto, é apenas especulação. Tratando-se da hipótese de aprendizagem do comportamento sexual, não se sabe ao certo qual seria a recompensa, já que a maior parte das ocorrências não envolveu a morte do pinguim, para alimentar a foca.

E você? O que acha desse fato tão surpreendente? Deixe sua opinião para nós!

Leia também:

setaMASSACRE DE FOCAS NO ÁRTICO: CULPA DO CALOR EXTREMO

setaA DESCOBERTA DE MARMOTA PRÉ-HISTÓRICA MUDA HISTÓRIA DE MAMÍFEROS NA TERRA

setaQUAIS SÃO AS COBRAS MAIS VENENOSAS DO MUNDO?

Fonte fotos: freeimages.com