Ambiente

G7 aloca US$ 20 milhões (cerca de R$ 91 milhões) para Amazônia, mas governo brasileiro recusa a ajuda

Amazônia em chamas
  • por Redação

A Amazônia em chamas abriu o último encontro do G7, realizado no sábado (24) em Biarritz, na França. Durante a cúpula, os líderes do grupo – formado pelos 7 países mais ricos do mundo: Alemanha, Canadá, Estados Unidos, França, Itália, Japão e Reino Unido – decidiram disponibilizar 20 milhões de dólares para ajudar no combate às chamas na Amazônia. Em resposta nas redes sociais, Bolsonaro agradeceu, mas recusou a oferta dizendo que:

Bolsonaro será denunciado em Haia por Ecocídio

Bolsonaro
  • por Daia Florios

Juristas brasileiros preparam a denúncia que será apresentada ao Tribunal Penal Internacional de Haia, na Holanda. O teor do documento é um crime ambiental supostamente praticado pelo atual presidente do Brasil, contra a humanidade.

Dia do Fogo: documentos revelam negligência do governo federal

Dia do Fogo
  • por Gisella Meneguelli

É verdade que, durante o inverno, a escassez de chuvas é propícia a focos de incêndios. Pesa sobre isso a cultura que ainda persiste no Brasil de se “limpar” áreas verdes com queimadas. Essa combinação explosiva traz danos irreparáveis ao meio ambiente e desastres como este que estamos vivenciando na Amazônia.

O que podemos fazer em nosso pequeno caminho para ajudar a Amazônia

  • por Redação

Enquanto os cientistas soam o alarme sobre os possíveis efeitos catastróficos do aquecimento global e explicam a importância de plantar árvores para conter a crise climática, nossas florestas literalmente queimam as defesas do planeta contra as atividades humanas.

Se o governo não se importa, o mundo se importa: de Macron à Greta, todos contra Bolsonaro em defesa da Amazônia

Amazônia em chamas
  • por Daia Florios

Está realmente pegando fogo a imagem do Brasil mundo afora. Um de seus principais cartões postais, a Amazônia, está em chamas. Bolsonaro está se queimando a si mesmo, está queimando inclusive a instituição à qual pertence. O militar não deveria ser aquela instituição nacionalista que defende o próprio povo, a própria nação? Pois é...