Qual a relação entre a ação do homem e as mudanças climáticas? A ciência quer responder

relação entre a ação do homem e as mudanças climáticas

Tsunamis, terremotos, secas, nevascas, chuvas etc... o clima pirou? E o que o aquecimento global tem a ver com isso? É o que cientistas do clima querem responder ao mundo, por meio de uma iniciativa que planejam lançar até o final de 2015.

Recentemente, esses especialistas têm estudado mais profundamente a relação entre as mudanças climáticas e os quadros climáticos extremos a que temos assistido. Esse esforço visa desconstruir o discurso midiático, que atesta que o aquecimento global não teria conexão com os desastres naturais intensos, assistidos pela humanidade nos últimos anos; algo que tem sido repensado pela ciência, que agora busca obter provas da relação entre os dois elementos.

Força-tarefa especializada

Para conseguir responder a tal pergunta, há uma verdadeira força-tarefa entre organização de jornalismo científico dos EUA, Centro Climático da Cruz Vermelha e do Crescente Vermelho, Universidade de Oxford, o Instituto Meteorológico Real da Holanda e outros.

O papel do homem

Através da análise de 16 eventos climáticos, entre os maiores do ano de 2013, que vieram a público no último dia 29, fica clara uma variável, até agora desprezada nas análises: a ação humana e seu peso frente às transformações do clima no mundo. É fruto da ação humana, muito do que tem sido percebido como reflexo do aquecimento global.

Isso faz com que a ação humana ganhe um relevo tanto inédito como decisivo para desencadear os efeitos climáticos.

Já no ano de 2011, houve, entre as revelações do Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas (IPCC), que havia um “forte indício” de que a ação do homem teria papel decisivo na amplitude térmica – diferença entre temperaturas máximas e mínimas ao redor do planeta. E ainda mais: isso se refletiria até mesmo sobre a alta do nível dos mares.

Obstáculo e soluções ao projeto

O grande empecilho para que a ciência conseguisse as provas da interferência humana sobre o clima é que até então as análises se demoram em intermináveis meses. Entretanto, parece que agora, os resultados começam a chegar. Os cientistas envolvidos na nova empreitada estão desenvolvendo um sistema muito mais dinâmico de levantamento de dados, envolvendo modelos climáticos sofisticados, combinados com evidências de observações históricas e pesquisas prévias, que deveriam disponibilizar publicamente, em alguns dias, a relação de um evento climático com o aquecimento global.

Transparência e neutralidade dos pesquisadores

O grupo reunido para o projeto tende a ser politicamente neutro e que tem como princípio a liberação, com transparência, das informações obtidas através dos experimentos.

Ressaltam ainda que seu objetivo não é ativismo puro e simples, mas sim, o fornecimento de informações bastante honestas, a respeito de que alguns riscos têm se modificado constantemente e de que algo é necessário ser feito por nós, com urgência.

Leia também: Clima: 35 mil morsas paradas em uma praia: elas não têm gelo para aonde de ir

Fonte foto:wikipedia.org