E se o óleo não for grego, de onde ele pode ser?

  • atualizado: 
origem do óleo no Nordeste

O governo brasileiro declarou que a origem do óleo que contamina as praias do Nordeste vem de um navio grego. Mas será mesmo verdade?

A empresa grega nega o incidente 

A Delta Tankers LTD, empresa cujo navio é suspeito de derramar óleo no mar brasileiro, está em conflito com as autoridades brasileiras, que fizeram uma apreensão nos escritórios que representam a Delta.

Entretanto, ao jornal O Globo a empresa respondeu, em nota, que

"até o momento, não houve conversa entre as autoridades brasileiras e a Delta Tankers, proprietária do navio Bouboulina. As autoridades brasileiras não entraram em contato com a empresa sobre uma investigação ou qualquer outro assunto". A empresa ainda alega que:

"(A Delta Tankers) tem todos os dados e a documentação da passagem da embarcação da Venezuela para a Malásia, comprovando que ela não estava envolvida no derramamento de óleo", afirmou a companhia, colocando-se à disposição para "cooperar na investigação, de bom grado".

E se o óleo não for grego...

O ministro da Defesa, Fernando Azevedo e Silva, afirmou que o navio é o "provável" causador do desastre ambiental, de acordo com as investigações que vêm sendo realizadas em parceria com a Polícia Federal.

Já o Laboratório de Análise e Processamento de Imagens de Satélites (Lapis) da Universidade Federal de Alagoas (Ufal) tem uma outra possível explicação para a história.

Por meio de satélites, o Lapis detectou um padrão nas manchas de óleo que indica poder o vazamento ser oriundo de atividades de perfuração.

“(...) pela primeira vez, encontramos uma assinatura espacial diferenciada. Ela mostra que a origem do vazamento pode estar ocorrendo abaixo da superfície do mar. Com isso, levantamos a hipótese de que a poluição pode ter sido causada por um grande vazamento em minas de petróleo ou, pela sua localização, pode ter ocorrido até mesmo na região do Pré-Sal”, alerta Humberto Barbosa, pesquisador do Lapis.

A análise se baseia, além das imagens, de um levantamento de informações sísmicas e de outras variáveis do local. A observação feita pelos satélites foi em uma área de exploração de petróleo, já registrada pela Agência Nacional de Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP).

Além das manchas encontradas no Nordeste, o pesquisador alerta que elas estão espalhadas em vários pontos do litoral brasileiro, porém, em menor quantidade.

“Essas imagens, capturadas pelo Sentinel-1A, mostram que há pequenas quantidades de óleo espalhadas pelo oceano, motivo porque o Brasil precisa estabelecer um monitoramento mais consistente do oceano. Mas a quantidade de petróleo identificada na imagem, próximo à costa da Bahia, é de uma enorme extensão", comenta Barbosa.

A localização do óleo aponta que a origem do problema dificilmente poderia ser relacionada a um derramamento acidental.

O Lapis já enviou à Comissão do Senado responsável pelo acompanhamento da poluição por óleo no Nordeste as imagens de satélites, a fim de contribuir com as investigações.

Talvez te interesse ler também:

O ÓLEO DO NORDESTE NO PARAÍSO DOS LENÇÓIS MARANHENSES

O MAIOR GENOCÍDIO DE TODOS OS TEMPOS NÃO FOI O HOLOCAUSTO, MAS O DOS POVOS INDÍGENAS

AUMENTO DO NÍVEL DO MAR: NÚMERO DE AFETADOS SERÁ O TRIPLO DO ATÉ ENTÃO ESTIMADO

Fonte e fotos: UFAL

siga brasile pinterest

Você está no Pinterest?

As fotos mais bonitas sempre contigo!

siga brasile instagram

Você está no Instagram?

Curta as mais belas fotos, dicas e notícias!