Dia do Fogo: documentos revelam negligência do governo federal

  • atualizado: 
Dia do Fogo

É verdade que, durante o inverno, a escassez de chuvas é propícia a focos de incêndios. Pesa sobre isso a cultura que ainda persiste no Brasil de se “limpar” áreas verdes com queimadas. Essa combinação explosiva traz danos irreparáveis ao meio ambiente e desastres como este que estamos vivenciando na Amazônia.

Dados mostram que nunca houve tantos focos de incêndio na Amazônia brasileira como nos últimos seis anos. E qualquer mente inquieta – ou minimamente curiosa - irá se perguntar: por quê?

Lucro acima de tudo

Por trás das queimadas na Amazônia parece haver um negócio milionário, conforme uma investigação que vem sendo realizada pela Ministério Público Federal (MPF) e divulgada por El Pais. Uma área de mil hectares queimada vale um milhão de reais no mercado negro. A devastação deste ano na Amazônia e no Pantanal está no cálculo de vinte milhões de reais.

O MPF está investigando quem são os responsáveis por esse crime ambiental, visto que parece ter havido uma orquestração almejando os resultados devastadores a que o mundo inteiro tem assistido nos últimos dias, de acordo com a procuradora-geral da República, Raquel Dodge, que está reunida com uma força-tarefa, em Brasília, no intuito de apurar os crimes na Amazônia Legal.

Crime ambiental

amazonia chamas nasa

Fonte foto

Um dos atos criminosos investigados pelo MPF é o chamado “Dia do Fogo”, que se trata de um evento organizado por um grupo, supostamente composto por grileiros, produtores rurais, sindicalistas e comerciantes, com o propósito de plantar pasto no lugar da floresta.

Tal intento foi reportado pela revista Globo Rural, que noticiou que o grupo, formado por cerca de 70 pessoas do interior do estado do Pará, teria se organizado para mostrar seu apoio ao presidente Jair Bolsonaro, claramente favorável à flexibilização da legislação ambiental no país.

O site Poder 360 publicou documentos que mostram que o procurador Paulo de Tarso Moreira Oliveira comunicou o Ibama sobre o plano criminoso, que foi ignorado pela Força Nacional, órgão ligado ao Ministério da Justiça, comandado pelo ministro Sérgio Moro. A Força Nacional, em 12 de agosto, foi alertada sobre os planos do Dia do Fogo, segundo essa correspondência oficial revelada pelo portal Poder 360.

De acordo ainda com El Pais, o procurador Joel Bogo, membro da força-tarefa Amazônia Legal, disse que:

“Nosso papel construtivo é de estimular os órgãos do Governo, não só do federal, mas também dos governos estaduais. O desmatamento ilegal de grandes proporções é praticado, sim, por agentes do crime organizado, inclusive pela capitalização. As queimadas são reflexo do aumento do desmatamento. A queimada aumenta porque a fronteira agrícola está sendo expandida”.

Somente após toda a repercussão internacional negativa sobre os crimes ambientais cometidos na Amazônia devido à negligência do governo federal em tentar controlar os incêndios é que Bolsonaro autorizou a Polícia Federal a investigar, também, o caso. O presidente chegou a afirmar que ONGs seriam responsáveis pelas queimadas, o que foi desmentido pelo MPF.

“Essa suspeita já foi prontamente descartada pelo Ministério Público Federal. Não há um ínfimo indicativo de participação de ONGs”, frisou o coordenador da Câmara de Meio Ambiente do Ministério Público Federal, Nívio de Freitas. 

A suspeita do MPF recai, principalmente, sobre grileiros, os quais têm um histórico de invasão de terras públicas da União.

Sob pressão, o governo reforçou as ações de combate aos incêndios na região norte com o envio de 43.000 militares. Sete dos nove estados da Amazônia Legal requisitaram a ajuda de tropas federais para controlar os focos.

Negligência

As queimadas na Amazônia e no Pantanal também se deram em uma gestão que cortou recursos para fins ambientais e, inclusive, sob a responsabilidade do ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, teria deslegitimado a atuação de fiscais ambientais. Soma-se a todo esse cenário pré-catastrófico a recusa de Bolsonaro em receber recursos do Fundo Amazônia, um projeto custeado por Noruega e Alemanha cujo objetivo é justamente a fiscalização ambiental.

Em abril deste ano, o presidente proferiu um discurso, em uma feira agropecuária em Ribeirão Preto (SP), no qual teria dito que:

“Em torno de 40% das multas aplicadas no campo, em grande parte, serviam para retroalimentar uma fiscalização xiita, que buscava apenas atender nichos que não ajudavam o meio ambiente e muito menos aqueles que produzem”, conforme divulgou o G1 àquela época.

A ex-ministra do Meio Ambiente Marina Silva avalia que a situação ambiental no Brasil, hoje, é pior do que a da década de 1980, ou seja, todo o trabalho de diferentes gestões ao longo de quase três décadas foi queimando em apenas seis meses pelo atual governo federal.

Em uma entrevista concedida ao El Pais, a ambientalista disse que está denunciando o desmonte das políticas ambientais promovido pelo governo Bolsonaro desde o início de seu mandato. Ela e mais outros ex-ministros que já ocuparam a pasta reuniram-se, em maio, para compor uma frente em defesa do meio ambiente.

Essa frente, juntamente com o presidente da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) e outros nomes da sociedade civil, está tentando que o Congresso suspenda as leis em tramitação que vão contra o meio ambiente e que seja montada uma comissão especial dedicada a enfrentar a atual crise que se instalou no país.

Em defesa da Amazônia

A crise ambiental que assola este momento o Brasil já estava prevista, embora todos nós tenhamos tentado ignorá-la. Afinal, o atual governo jamais assumiu qualquer compromisso com a questão ambiental; pelo contrário, opôs-se a todos os mecanismos e instrumentos que garantissem a preservação do nosso patrimônio ambiental.

Resta à sociedade civil organizar-se e contar com o máximo da ajuda internacional para tentar minimizar um pouco esse desastre.

Talvez te interesse ler também:

O QUE PODEMOS FAZER EM NOSSO PEQUENO CAMINHO PARA AJUDAR A AMAZÔNIA

ÍNDIO: O MAIOR CONSERVADOR E DEFENSOR DA VIDA NA TERRA

AS ÁRVORES VÃO SALVAR O PLANETA: PLANTAR 1 BILHÃO DELAS PODE ELIMINAR 10 ANOS DE EMISSÕES DE CO2

siga brasile pinterest

Você está no Pinterest?

As fotos mais bonitas sempre contigo!

siga brasile instagram

Você está no Instagram?

Curta as mais belas fotos, dicas e notícias!