Belize é o país que mais protege a vida marinha

  • atualizado: 
Belize

Trabalhando em parceria com os pescadores locais, Belize hoje é considerado um exemplo mundial na proteção dos oceanos. As informações são do jornal britânico The Guardian, que publicou, nesta quarta-feira (14), uma reportagem sobre o pequeno país da América Central.

Com um programa de acesso gerenciado aos recursos, implementado em 2016, os pescadores locais obtêm licenças para áreas específicas e precisam prestar contas do que capturam aos agentes do Instituto Toledo para o Desenvolvimento e Meio Ambiente (Tide), responsáveis pela fiscalização das águas. Além disso, as zonas de exclusão foram ampliadas em três vezes, o que vem garantido a saúde dos recifes e a manutenção dos estoques pesqueiros.

Como ressaltou a administradora de pesca Beverly Wade,

“Belize é o único país do mundo que conseguiu dividir todas as suas águas territoriais, incluindo as águas pesqueiras funcionais. Direcionamos todos os pescadores em duas das nove áreas para construir uma arquitetura a partir do zero, onde um constituinte assume a propriedade dos recursos, porque seu sustento depende disso”.

Para Nicanor Requena, do Environmental Defense Fund (EDF), órgão sediado nos Estados Unidos, a relação com os pescadores locais é chave para que se obtenha sucesso nos programas de proteção à vida marinha. Ele relatou ao Guardian sua experiência de uma década visitando comunidades remotas de pescadores.

"No começo, eles não queriam saber, mas ganhamos confiança ao ouvi-los, e o conhecimento tradicional dos pescadores desempenhou um papel importante na formação do programa", contou.

A recuperação de recifes e manguezais entraram na pauta do país, mobilizando a população, que pressionou por um referendo sobre a exploração de petróleo na região. As ações vêm gerando resultados, reconhecidos mundo afora por países como a Austrália e as Filipinas, bem como por órgãos de prestígio internacional: com 300 quilômetros da barreira de arrecifes e lar de uma grande variedade de peixes, o recife de Belize saiu da lista de perigo do Patrimônio Mundial da Unesco em junho de 2018, após 10 anos.

A expectativa é de que exemplo inspire países vizinhos, onde a sobrepesca levou os estoques pesqueiros ao esgotamento, como é o caso da Jamaica e das Bahamas.

Talvez te interesse ler também:

8 DE JUNHO É DIA MUNDIAL DOS OCEANOS → “NOSSOS OCEANOS, NOSSO FUTURO”

ANIMAIS MARINHOS EM RISCO DE EXTINÇÃO EM MASSA. A CULPA É DA PESCA INTENSIVA

OCEANOS EM COLAPSO: EM ATÉ 2050 NÃO EXISTIRÁ MAIS PEIXE

siga brasile pinterest

Você está no Pinterest?

As fotos mais bonitas sempre contigo!

siga brasile instagram

Você está no Instagram?

Curta as mais belas fotos, dicas e notícias!