O buraco na camada de ozônio está diminuindo

buraco na camada de ozônio está diminuindo

O buraco na camada de ozônio se reconstituirá em 2050. A boa notícia vem de um relatório do Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente (PNUMA) e da Organização Meteorológica Mundial (OMM). Mas ainda há o problema do aquecimento global.

No dia seguinte ao alarme da ONU sobre os níveis recordes de concentração de gases de efeito estufa na atmosfera, chega a boa notícia que todos esperavam há décadas.

Trata-se do Assessment for Decision-Makers - Scientific Assessment of Ozone Depletion: 2014, realizado por mais de 300 cientistas da Global Ozone Research and Monitoring Project della World Meteorological Organization (Wmo), United Nations Environment Programme (Unep), National Oceanic and Atmospheric Administration (Noaa), Nasa e da Comissão Europeia. E é a primeira atualização global em quatro anos.

De acordo com o relatório, o Protocolo de Montreal de 1987 contra os gases de efeito estufa - como os clorofluorocarbonetos (CFC) e halons (usados em geladeiras, latas de spray e na espuma isolante ou retardante de fogo) - um dos tratados ambientais mais bem sucedidas no mundo, mostrou os seus resultados depois de duas décadas, e deve ser capaz de resolver o problema até 2050.

O Protocolo de Montreal contribuiu grandemente para a redução das emissões globais de gases de efeito estufa, tem protegido a camada de ozônio estratosférico e impediu que mais radiação UV atingisse a superfície da Terra: de fato, em 1987, as substâncias que empobrecem a camada de ozônio contribuíram com cerca de 10 bilhões de toneladas de CO2 equivalentes ao ano, e que o Protocolo as reduziu em mais de 90%. A maior diminuição de ozônio na atmosfera na maior parte do mundo ocorreu durante os anos 80 e início dos anos 90, e manteve-se relativamente inalterado desde 2000.

O relatório ressalta que "a eliminação de substâncias que reduzem a camada de ozônio foram reduzidas também para bem do clima global, porque muitas dessas substâncias são potentes gases de efeito estufa." Ao mesmo tempo no entanto, alguns substitutos destes gases que contribuem para o aumento do aquecimento global, estão aumentando, e estes também são potentes gases de efeito estufa, para os quais, afirma-se no relatório, é ainda possível assumir abordagens que evitem os efeitos climáticos prejudiciais desses substitutos."

Os substitutos são:

Os Hidrofluorcarbonos (HFCs). Estes, por exemplo, não danifica a camada de ozônio, mas muitos deles são de outra maneira gases de efeito estufa perigosos e representam atualmente cerca de 0,5 bilhões de toneladas de CO2 equivalente ao ano. Como o que está acontecendo nestes últimos anos, estas emissões estão crescendo a uma taxa de cerca de 7% ao ano, até mesmo os HFCs poderiam contribuir significativamente para a mudança climática nas próximas décadas. A limitar o dano poderia ser a substituição do atual mix de "high-GWP HFC" com compostos alternativos, tais como tecnologias de "low GWP" ou em tecnologia "not-in-kind."

O Diretor Executivo do PNUMA, Achim Steiner, afirmou:"O sucesso do Protocolo de Montreal deve incentivar novas iniciativas, não só para a proteção e a recuperação da camada de ozônio, mas também sobre o clima. Dia 23 de setembro, o Secretário-Geral das Nações Unidas receberá os Chefes de Estado em Nova York, na Cúpula do Clima, em uma tentativa de catalisar a ação global sobre a mudança climática. A comunidade do Protocolo de Montreal, com seus resultados tangíveis, é capaz de fornecer uma forte evidência de que a cooperação global e uma ação concertada são os ingredientes básicos para garantir a proteção de nossos bens comuns globais."

De acordo com o relatório, também o que vai acontecer com a camada de ozônio na segunda metade do século XXI dependerá em grande parte das concentrações de CO2, metano e óxido nitroso, que são os três principais gases de efeito estufa de vida longa na atmosfera. Enquanto o CO2 e o metano aumentaram os níveis na camada de ozônio em todo o mundo, o óxido nitroso (derivado da produção de alimentos) é ao mesmo tempo um potente gás de efeito estufa e um gás capaz de reduzir a camada de ozônio.

Conclui o Secretário-Geral da OMM, Michel Jarraud: "A ação internacional sobre camada de ozônio é uma grande história de sucesso ambiental. Isso deve nos encorajar a ver o mesmo nível de urgência e unidade para enfrentar o desafio ainda maior da mudança climática. Esta última avaliação fornece aos Chefes de Estados e outros tomadores de decisões, com uma sólida base científica sobre a estreita relação entre ozônio e clima, a necessidade de medidas de apoio mútuo para proteger a vida na Terra para as gerações futuras.

As atividades humanas continuam a alterar a composição na atmosfera. Consequentemente, o programa da Global Atmosphere Watch della Wmo vai continuar a sua atividade principal de monitoramento, investigação e avaliação para fornecer os dados científicos necessários para compreender e, finalmente, prever as mudanças ambientais, como foi feito com os 25 anos que se passaram."

Boas notícias, enfim, mas não se engane: o caminho à frente ainda é longo. E é necessário o nosso compromisso.

Leia também:

seta16 DE SETEMBRO: DIA INTERNACIONAL PARA A PRESERVAÇÃO DA CAMADA DE OZÔNIO

setaOZÔNIO: BRASIL SE PREPARA PARA EXPORTAR TECNOLOGIA AMBIENTAL

setaBRASIL TERÁ R$ 9,9 MILHÕES PARA CAMADA DE OZÔNIO