Nobel 2018: triunfa o meio ambiente e a química verde é premiada

  • atualizado: 

O mérito deles foi o de contribuir para que a química se torne mais verde. É por isso que Frances H. Arnold, George P. Smith e Gregory P. Winter acabam de receber o Prêmio Nobel da Química 2018.

De fato, como a Academia Sueca explicou, eles conseguiram explorar a diversidade da vida usando o poder mágico da evolução para trazer grandes benefícios à humanidade.

Como? Eles usaram os mesmos princípios, ou seja, a mudança genética e a seleção natural, para desenvolver proteínas capazes de nos ajudar a resolver uma série de problemas ambientais, como a produção de biocombustíveis e a criação de produtos farmacêuticos que posam combater doenças autoimunes e, em alguns casos para tratar metástases.

A Dra. Frances H. Arnold trabalha na Universidade de Missouri-Columbia. Em 1993, ela conduziu a primeira evolução direta de enzimas, proteínas que promovem reações químicas. Desde então, ele aperfeiçoou os métodos que atualmente são usados ​​rotineiramente para desenvolver novos catalisadores. Os usos das enzimas de Frances Arnold incluem uma produção de produtos químicos mais ambientalmente corretos, de usos farmacêuticos e para produção de combustíveis renováveis ​​para um setor de transporte menos prejudicial ao meio ambiente. À Arnold, a Academia Sueca assinalou metade do prêmio.

A outra metade foi compartilhada entre George P. Smith e Gregory P. Winter. O primeiro, em 1985, desenvolveu um método inovador no qual um bacteriófago - um vírus que infecta bactérias - pode ser usado para desenvolver novas proteínas. Gregory Winter usou o mesmo sistema para a evolução direta dos anticorpos, com o objetivo de produzir novos medicamentos.

O primeiro baseado nesse método, conhecido como adalimumabe, é um anticorpo monoclonal aprovado em 2002 e agora usado para artrite reumatóide, psoríase e doença inflamatória intestinal. Desde então, graças ao método de Smith, foram produzidos outros anticorpos capazes de neutralizar toxinas, combater doenças autoimunes e tratar o câncer metastático.

"Desde que as primeiras sementes da vida surgiram há cerca de 3,7 bilhões de anos, quase todas as fissuras sobre a Terra foram preenchidas por diferentes organismos: a vida se espalhou para fontes termais, oceanos profundos e desertos secos, tudo porque a evolução resolveu uma série de problemas químicos: os instrumentos químicos da vida - proteínas - foram otimizados, modificados e renovados, criando uma diversidade incrível", diz o comunicado oficial do prêmio.

Um importante reconhecimento da química "boa", que pode ajudar o meio ambiente e a saúde.

Talvez te interesse ler também:

ALLISON E HONJO, OS PAIS DA IMUNOTERAPIA CONTRA O CÂNCER GANHAM O NOBEL DA MEDICINA

siga brasile pinterest

Você está no Pinterest?

As fotos mais bonitas sempre contigo!

siga brasile instagram

Você está no Instagram?

Curta as mais belas fotos, dicas e notícias!