8 de junho - Dia Mundial dos Oceanos

  • atualizado: 
Dia Mundial dos Oceanos

Assim como a terra, o ar e as vegetações, os oceanos são fundamentais para a nossa existência. Eles possuem diversas funções, dentre elas a de regular o clima, através dos ventos e correntes marítimas.

No entanto, essa função está cada vez mais prejudicada devido aos nossos hábitos de vida que causam o aquecimento do planeta e alteram de forma significativa não só o clima, mas a diversidade de vida do nosso planeta.

Por este e outros motivos, em 1992 a Conferência das Nações Unidas sobre o Meio Ambiente e o Desenvolvimento criou o Dia Mundial dos Oceanos, celebrado no dia 8 de junho. Esta data foi oficializada pela Organização das Nações Unidas (ONU) em 2008.

Ano após ano, oceanógrafos, geólogos e pesquisadores envolvidos nessa missão celebram esta data com diferentes temas, fazendo campanhas sobre as situações alarmantes que ocorrem nos oceanos. No ano de 2018, o tema será: “Prevenir a poluição plástica e encorajar soluções para um oceano saudável”.

O intuito é fazer com que mais pessoas tomem consciência do quanto nossos hábitos “modernos” prejudicam a vida nos oceanos. As tartarugas marinhas, por exemplo, morrem ao ingerir objetos descartados de qualquer maneira nas ruas ou no lixo comum, que vão para o fundo do mar.

Tanto as tartarugas, como os demais animais marinhos, não conseguem distinguir o que é comestível ou não e, ao se depararem com canudos, sacolas ou garrafas plásticas, tentam comer, chegam até a engolir, mas não conseguem digerir esses materiais. Por isso, milhares de tartarugas e outras espécies marinhas morrem porque nossos canudinhos, sacolinhas e demais objetos de plástico que jogamos no meio ambiente ficam presos dentro desses animais.

Infelizmente, para muitas pessoas, pouco importa o que acontece com as tartarugas ou com qualquer outra espécie de vida desse ecossistema tão vasto que são os oceanos. Então vamos falar da importância deles para a vida humana, pois quem sabe assim a consciência pesará e fará com que entendamos de vez o porquê é tão urgente mudarmos nossos hábitos.

tartaruga marinha

A importância dos oceanos para a vida humana

Os oceanos têm uma grande importância ecológica, econômica, política e sociocultural. Eles cobrem 70% da superfície terrestre, somam 97% de água do planeta, concentram grande número de espécies, guardam reservas naturais, proporcionam alimentação, lazer, transporte, geram renda e são responsáveis pela regulação do clima.

E é justamente o clima o grande foco das campanhas relacionadas ao meio ambiente, pois vários aspectos do nosso cotidiano interferem nas mudanças climáticas e, consequentemente, na elevação do nível dos mares. O aumento da temperatura do planeta e, consequentemente do nível das águas, causam inundações e aumentam a acidez das águas, ocasionando a morte de animais como os corais, que não resistem ao aquecimento anormal das águas.

A extração de recursos minerais dos oceanos é outro aspecto importante para a vida humana. Dentre os principais recursos extraídos, podemos citar: o magnésio utilizado em ligas metálicas (alumínio); o bromo utilizado nas indústrias alimentícia, farmacêutica e fotográfica; o cloreto de sódio, mais conhecido como sal de cozinha; e futuramente a areia, que poderá ser utilizada na construção civil e recuperação de praias, segundo afirma a pesquisa.

Outro dado importante é com relação à produção de oxigênio através das algas marinhas, que corresponde a 55% do oxigênio do planeta, ou seja, pouco mais que a Amazônia que é considerada “o pulmão do mundo”. Devido à fotossíntese feita pelas algas marinhas, a quantidade de oxigênio que elas produzem é maior do que elas necessitam. Por isso, a quantidade excedida de oxigênio é liberada na atmosfera. Já o CO2 (dióxido de carbono), consegue ser absorvido por elas, ajudam assim na respiração do planeta.

Os oceanos também são importantes para a vida humana devido à possibilidade de navegação entre os continentes. Essa prática favorece o comércio, o turismo, gera empregos e ainda permite garantir o sustento de muitos pescadores e a variedade de nutrientes, proteínas e minerais em nossas mesas.

É justamente por esse motivo que os oceanógrafos lamentam a escassez de pesquisas sobre esse ecossistema tão abundante de recursos. Embora existam campanhas e temas para conscientização da importância dos oceanos, elas não são suficientes para que se possa conhecer toda a diversidade marinha e o que ela é capaz de fazer por todos nós.

Os temas tecnologia e sustentabilidade estão em alta, mas ainda falta muito para se tornarem verdadeiros aliados para a preservação dos oceanos. Isso só será possível quando a porcentagem de pessoas que se interessam por esses temas for maior do que aquelas que não se importam com o futuro. Por isso, é o nosso dever estudar e disseminar conhecimentos e alternativas sustentáveis tanto para nós mesmos, quanto para os que virão.

Os cinco oceanos

Falando em estudar e disseminar conhecimentos, vamos relembrar um pouco das nossas aulas de geografia e entender a complexidade desse ecossistema tão vasto.

Os oceanos são grandes extensões de água salgada que ocupam as depressões da superfície da Terra e são divididos em cinco porções:

Antártico

Também conhecido como Austral, é o conjunto de águas que banham o continente Antártico. É o único que circunda o globo terrestre de forma completa. Possui recursos naturais não explorados, mas sabe-se da existência de jazidas de petróleo e gás natural em suas proximidades.

O gelo que cobre a Antártida é a maior reserva de água doce do mundo e representa 81% do total. O oceano Antártico possui grande biodiversidade de fauna, porém não possui flora terrestre, sendo sua única composição vegetal composta por algas marinhas e alguns organismos autótrofos.

Ártico

Corresponde ao conjunto de águas geladas localizadas próximo ao círculo Polar Ártico no extremo norte do planeta e ocupa uma área de 21 milhões de quilômetros quadrados. Tem 5.000 metros de profundidade e é composto pelas águas advindas dos oceanos Atlântico e Pacífico.

É lá que encontram-se muitos icebergs, os blocos de gelos enormes que se desprendem das banquisas e flutuam pelos oceanos. Devido à baixa incidência de luz solar, a temperatura no Ártico pode chegar a -60ºC e permanece dessa maneira no decorrer do ano.

Atlântico

É o segundo maior oceano do mundo em extensão, abrange uma área de aproximadamente 80 milhões de quilômetros quadrados e profundidade média de 3.300 metros. O oceano Atlântico separa a Europa e a África da América, interliga os demais oceanos e é dividido em duas partes: Atlântico Norte e Sul, separados pela linha do Equador.

Apesar de ser considerado o segundo maior do mundo, o oceano Atlântico possui maior importância ao seu grande fluxo de circulação comercial.

Índico

É o terceiro maior oceano do mundo e banha todos os países litorâneos do leste e do nordeste da África, as nações do litoral sul da Ásia desde a Península Arábica até o oeste do Sudeste Asiático, a Indonésia, mais o noroeste, oeste e sul da Austrália.

Tem em média 3.890 metros de profundidade e temperatura média de 20ºC durante o ano todo, favorecendo o crescimento de recifes de corais, típicos de regiões tropicais. Apesar do clima tropical, na parte sul possui temperaturas mais frias devido à proximidade com o oceano Antártico, porém ao norte suas águas são mais quentes pela proximidade com o continente.

Essas variações de temperatura causam as chamadas “monções”, ventos que mudam de direção de acordo com a variação de temperatura e que causam secas e estiagens em algumas regiões e enchentes e inundações em outras. O oceano Índico tem grande importância econômica devido ao transporte de mercadorias e petróleo, principalmente.

Pacífico

É o maior e mais antigo oceano do planeta, possui cerca de 180 km2 e cobre quase um terço da superfície do globo terrestre, compondo quase a metade dos volumes dos oceanos. Tem a maior profundidade média, cerca de 4.280m, localizado a oeste da América, a leste da Austrália e da Ásia e ao sul da Antártida.

O oceano Pacífico possui aproximadamente 25.000 ilhas denominadas Micronésia (pequenas ilhas) ou Polinésia (muitas ilhas). A Ilha de Páscoa é considerada a mais distante do continente, pois ela está localizada a aproximadamente 3.600 km do Chile.

Uma das características importantes do oceano Pacífico é a sua intensa atividade vulcânica, devido ao fato de estar localizado em uma placa tectônica chamada “Placa do Pacífico”

Essas foram algumas curiosidades e informações sobre esse importante ecossistema. Os oceanos são riquíssimos em biodiversidade e ainda têm muito a serem explorados. Esperamos que mais estudiosos e pesquisadores despertem o desejo de se tornarem oceanógrafos, que também têm seu dia comemorado em 8 de junho.

Claro que esse assunto não deve ser interesse apenas dos profissionais de oceanografia, pois o trabalho para recuperação, manutenção e prevenção dos oceanos é tão vasto e infinito quanto à extensão dos mesmos. Por isso, se cada um fizer a sua parte e viver com consciência, já terá contribuído muito para a preservação não só desse ecossistema, mas do planeta inteiro.

Parece clichê, mas infelizmente se não insistirmos, nada será feito… Apresente sua ideia para melhorar o planeta, una-se a pessoas que tenham essa mesma vontade, mesmo que seja na sua própria rua, bairro ou comunidade. Como diria a jovem escritora Bárbara Flores: “é aos poucos que a vida vai dando certo”.

Sobre os oceanos, talvez te interesse ler também:

10 ANIMAIS MARINHOS EM EXTINÇÃO

OCEAN ODISSEY: O ÚNICO AQUÁRIO QUE A GENTE GOSTA (PORQUE NÃO TEM PEIXE!)