Estudo Indica Acelerado Aumento do Nível do Mar

  • atualizado: 
Aumento do Nível do Mar

Embora há quem negue a realidade das mudanças climáticas, como o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, mas elas, a cada ano, vêm se mostrando mais reais.

É o que indica um novo estudo publicado na Proceedings of the National Academy of Sciences sobre o aumento acelerado do nível dos mares. A estimativa do estudo é que esse nível chegue aos 66 centímetros até o final do século, o que poderia provocar danos para as cidades litorâneas, as quais podem, inclusive, desaparecer do mapa.

Leia mais: AS “ATLÂNTIDAS”DO SÉCULO XXI. AQUECIMENTO GLOBAL E NÍVEL DAS ÁGUAS

Entre essas cidades portuárias afetadas pelo aquecimento global, três delas são brasileiras: Rio de Janeiro, Recife e Belém, segundo análise de uma nova ferramenta desenvolvida por engenheiros da Nasa. O derretimento de gelo na Groenlândia afetaria principalmente Rio e Recife, segundo divulgado pela Gazeta do Povo.

A taxa anual de aumento do nível do mar tem estado na casa dos 3 milímetros ao ano, mas pode chegar a mais de 10 milímetros ao ano até 2100, segundo um relato do Procedimentos da Academia Nacional de Ciências, um jornal norte-americano que alerta que essa descoberta está "de acordo com as projeções modelo do 5º Relatório de Avaliação do Painel Intergovernamental de Mudanças Climáticas (IPCC)", um estudo baseado em 25 anos de dados de satélites, conforme divulgado pela UOL.

A principal causa da elevação acelerada do nível do mar é o degelo na Groenlândia e na Antártica. Segundo o estudo, as mudanças climáticas alteram o nível do mar de duas maneiras.

A primeira pela maior concentração de gases de efeito estufa na atmosfera, que aumenta a temperatura da água. A água mais quente acaba por se expandir e, com isso, já faz subir cerca de 7 centímetros do mar global. A segunda forma é a derivada do derretimento de gelo nos polos ártico e antártico.

Esse importante estudo reforça a importância do monitoramento feito por satélites para validar as projeções das alterações climáticas no planeta Terra.

Trump tenta negar o óbvio sabe-se lá para quem! Quando ele quis "dar provas" de que o aquecimento global é uma quimera, após a onda de frio nos Estados Unidos, ele apenas reforçou a efetividade das mudanças climáticas, pois essa mesma massa gélida é uma demonstração do desequilíbrio ambiental no planeta Terra.