2017 foi o Segundo Ano mais Quente da História

  • atualizado: 

Nossa Terra está cada vez mais quente. Também em 2017, a temperatura terrestre subiu, dando o triste registro do segundo ano mais quente desde 1880. No topo do pódio, 2016.

Isso é o que acaba de ser revelado por uma nova análise realizada pela NASA, que confirma a tendência de aquecimento a longo prazo do planeta. Em 2017, as temperaturas médias globais foram maiores de 0,90 graus Celsius do que entre 1951 e 1980, de acordo com cientistas do Goddard Institute for Space Studies (GISS).

Em uma análise separada e independente, cientistas da Administração Nacional Oceânica e Atmosférica (NOAA)  estabeleceram que 2017 foi o segundo ano mais quente de seus registros, empatado com 2015. A pequena diferença nos rankings deve-se aos diferentes métodos utilizados pelas duas agências para analisar as temperaturas globais, mesmo que, a longo prazo, os resultados estejam alinhados. Ambas as análises mostram que os cinco anos mais quentes já registrados ocorreram depois de 2010.

"Apesar das temperaturas mais baixas das médias em todo o mundo, aquelas do planeta como um todo, continuam a tendência de aquecimento rápido que vimos nos últimos 40 anos", disse o diretor GISS, Gavin Schmidt.

A temperatura média da superfície do planeta aumentou em cerca de 1 grau Celsius no último século ou mais; uma mudança impulsionada principalmente pelo aumento do dióxido de carbono e outras emissões artificiais na atmosfera. O ano passado foi o terceiro ano consecutivo em que as temperaturas globais estiveram acima de 1 grau Celsius em comparação com os níveis do final do século XIX.

O mapa a seguir mostra a temperatura média global da Terra de 2013 a 2017, em comparação com a média de referência de 1951 a 1980. As áreas amarela, laranja e vermelha mostram as regiões mais quentes.

 mapa terra nasa

Fenômenos como El Niño, que aquecem ou esfriam a parte superior do Oceano Pacífico, causam variações correspondentes nos padrões globais de vento e clima, e contribuem para mudanças de curto prazo na temperatura média global. Mas isso não é o suficiente para justificar um aumento da temperatura no longo prazo.

Em uma análise onde os efeitos dos recentes modelos do El Niño foram estatisticamente removidos do registro, 2017 teria sido o ano mais quente já registrado.

A dinâmica do tempo geralmente influencia as temperaturas regionais, portanto, nem todas as regiões da Terra experimentaram o mesmo tipo de aquecimento. A NOAA observou que a temperatura média anual em 2017 nos EUA foi a terceira maior já registrada. No entanto, um maior aumento nas temperaturas está nas regiões árticas, onde em 2017 houve uma grave perda de gelo marinho.

De acordo com a WWF: "Seria louco e imoral não reagir com uma mobilização imediata dos governos para dar uma reviravolta extraordinária à ação climática, com compromissos e iniciativas para reduzir as emissões que ultrapassam as já estabelecidas. É necessário fazer o máximo possível para limitar o aquecimento global a 1,5°C: qualquer aumento adicional pode resultar na destruição de ecossistemas, perdas e sofrimentos de pessoas e comunidades, a revolta do planeta tal como a conhecemos".