COP23 - a Conferência das Nações Unidas sobre as Mudanças Climáticas: quais são os objetivos?

  • atualizado: 
COP23

Bonn, começou ontem a Conferência das Nações Unidas sobre Mudanças Climáticas. A Cop23 visa alcançar metas ainda mais ambiciosas com o objetivo de conter o aquecimento global. O diálogo entre os 196 países deverá ser a chave-mestra para atingir metas, já discutidas há dois anos em Paris durante a Cop21.

Seguindo o Acordo de Paris, aprovado há dois anos e em vigor desde o dia 4 de novembro do ano passado, os representantes dos vários Estados terão que construir uma ponte ideal entre os objetivos já fixados - ou seja, os de conter o aquecimento global dentro dos 2°C - e as contribuições nacionais voluntárias.

A cidade de Bonn, Alemanha, de 6 a 17 de novembro será o cenário dessas decisões.

Sabe-se agora que as mudanças climáticas estão causando catástrofes naturais e, quanto mais rápido o tempo passa, menos será provável que consigamos intervir para reduzir o aquecimento global e seus efeitos desastrosos.

Sem fortes cortes nas emissões globais de carbono, devemos esperar o pior, com conseqüências irreversíveis para bilhões de pessoas e para a natureza.

Em Paris, durante a COP21 em 2015, foi estabelecido o primeiro acordo global para combater a mudança climática, mas a ação nacional deve ser consideravelmente mais dura para se concentrar em manter o aumento global da temperatura abaixo dos 2°C e, se possível, a 1,5°C.

As recentes catástrofes naturais, furacões e inundações que ocorreram nos últimos meses, do Caribe à Ásia, passando pela Europa, mostraram que as ações devem ser tomadas imediatamente. O Acordo de Paris estabeleceu princípios, mas não os detalhes. É por isso que as reuniões destes dias em Bonn serão fundamentais para concretizar o que a Cop21 estabeleceu.

Pela primeira vez, a gerenciar a Cop23 não será um único país, mas pequenas nações insulares, que estão correndo sérios riscos devido ao aumento do nível do mar e das tempestades extremas que as mudanças climáticas vêm causando. O primeiro-ministro das Fiji, Frank Bainimarama, é o presidente da Cop23. As ilhas sofreram danos superiores a um bilhão de dólares depois que o ciclone de Winston as atingiu em 2016.

"O sofrimento humano causado pela intensificação de furacões, incêndios, secas, inundações e ameaças à segurança alimentar causada pela mudança climática indica que não há tempo a perder", diz Bainimarama.

De acordo com o presidente da Cop23, devemos ir além do acordo de Paris e pretender limitar o aumento da temperatura média global para 1,5°C da idade pré-industrial.

 

O acordo francês é sustentado por planos nacionais de ação climática conhecidos como Contribuições Nacionais Determinadas, Nationally Determined Contributions (NDC), cuja ambição deve ser buscada coletivamente para atingir o alvo. Com os esforços atuais, a contenção das temperaturas excederá os 3°C.

O diálogo em Bonn será baseado em três questões fundamentais:

Onde estamos?
Onde queremos ir?
Como chegaremos lá?

Nesta Cop, os governos também trabalharão sobre o que pode ser denominado "sistema operacional" do acordo de Paris, ou seja, sobre os meios de ajudar todos os governos a atingirem seus objetivos.

O que acontece com a saída dos EUA do acordo de Paris?

No momento nada. Até 2020, a América liderada por Trump não poderá abandonar os acordos, mesmo que o presidente dos EUA tenha anunciado a sua retirada.

Conforme estabelecido na Alemanha, o acordo se concluirá na Cop24 na Polônia, no próximo ano, com o objetivo de definir uma resposta mais ambiciosa às mudanças climáticas na marco temporal 2019-2020.

O que dizem os especialistas sobre a Cop23

Patricia Espinosa, Secretária Geral das Nações Unidas sobre as Mudanças Climáticas, ontem pela manhã, em Bonn, lembrou que:

"2017 provavelmente será um dos três anos mais quentes já registrados. E os indicadores de longo prazo das concentrações de dióxido de carbono, elevação do nível do mar e acidificação dos oceanos, entre outros fenômenos perturbadores, continuarão ocorrendo se não agirmos”.

Manuel Pulgar-Vidal, líder do programa mundial de clima e energia da WWF, disse:

"Os recentes eventos meteorológicos extremos que testemunhamos a nível global são um grande impulso ao que está em jogo. Em Bonn, devemos encontrar o impulso necessário para acelerar a ação climática agora e aumentar os esforços, de acordo com a manutenção aquecimento a 1,5°C. A COP23 será o maior teste de compromisso e resolução das partes, a fim de cumprir as disposições do acordo de Paris".

Já a Diretora Executiva da Greenpeace International Jennifer Morgan disse:

"Não temos tempo a perder. Nosso clima está mudando, colocando pessoas e comunidades em risco, de Suva a Washington, em todos os lugares, mas temos uma janela de oportunidade para tomar uma decisão veloz e audaz para garantir segurança e justiça para cada um de nos. Na Cop deste ano, os lideres podem começar a cumprir as promessas que fizeram em Paris".

siga brasile pinterest

Você está no Pinterest?

As fotos mais bonitas sempre contigo!

siga brasile instagram

Você está no Instagram?

Curta as mais belas fotos, dicas e notícias!