Novo recorde em julho/2016: o mês mais quente já registrado

recorde-temperatura-julho

No ano passado, 2015, também o mês de julho foi o vencedor da corrida do calorão. Em 2016, no entanto, lá está novo recorde - o desvio de temperatura de julho, em relação às médias medidas entre 1951 e 1980 foram de 0,84ºC. Está aumentando.

É o que se pode concluir dos dados da Agência Espacial Americana (Nasa) apresentados na última segunda-feira - que o mês de julho de 2016, no hemisfério norte, onde é verão, foi o mais quente de todas as épocas desde que se começaram a medir, e a comparar, as temperaturas mundiais (1880).

A variação medida ainda é pouca se a compararmos com as temperaturas de fevereiro de 2015, no hemisfério sul, cuja marca alcançou o dobro da atual medida, 1,32ºC mas, estamos caminhando, decididamente, para verões cada vez mais tórridos, nos dois hemisférios.

Mas, quando se mede no hemisfério norte, verão, essa temperatura corresponde à das terras emersas em maior porcentagem. O que quer dizer que a terra, sólida, está acumulando e não liberando calor. E aí é que está o problema.

Toda essa variação, das superfícies emersas mais aquecidas, tem a ver também com El Niño pois, com o aumento de temperatura das águas oceânicas o solo perde em troca e concentra mais calor.

Especialmente indicados para você:

MUDANÇA CLIMÁTICA E AQUECIMENTO GLOBAL: OS POBRES SOFRERÃO MAIS

REFUGIADOS: A CULPA DA CRISE MIGRATÓRIA É (TAMBÉM) DO AQUECIMENTO GLOBAL

AS “ATLÂNTIDAS”DO SÉCULO XXI. AQUECIMENTO GLOBAL E NÍVEL DAS ÁGUAS 

Fonte e foto: National Oceanic and Atmospheric Admininstration