A mineração e a destruição do meio ambiente

A mineração é sempre uma atividade potencialmente destruidora do meio ambiente, claro. E também é uma atividade necessária para o desenvolvimento da indústria pesada, para a independência dos países, para o enriquecimento de uns poucos. Afinal, o lema do sistema econômico que impera na Terra é aquele velho conhecido “quanto mais lucro, melhor”.

Mineração, meio ambiente e desenvolvimento

É possível fazer mineração com respeito ao meio ambiente? Sim, desde que exista e se exerça o respeito à vida.

Mas não é esse o caso que estudamos aqui pois, até os dias de hoje não há, na face da Terra, mineradora que respeite a vida. O que há é mineradora que quer extrair o minério da terra ao menor custo e sem se preocupar com a destruição que deixa atrás de si.

No Brasil temos disto vários exemplos trágicos do qual Mariana, em Minas Gerais, é só o mais recente.

Leia também: TRAGÉDIA HUMANA E AMBIENTAL EM MARIANA - MG

Em Mariana foi destruída a terra, esburacada, revolvida, misturada à lama de rejeito com químicos usados na mineração de ferro. As águas da Bacia do Rio Doce também foram destruídas, e o continuam sendo cada vez que as chuvas da região levam mais e mais lama de rejeito para o leito do rio.

Outras minerações que fizeram história de destruição foram as do Carajás onde há ferro, cobre, niquel, manganês. Veja aqui neste vídeo:

 

E para conhecer melhor esse mega projeto de mineração de ferro a céu aberto, dá uma olhada aqui.

A bauxita, que destruiu terras boas de cultivo, desmontou morros cheios outrora de vegetação nativa e que é a primeira etapa para a obtenção do alumínio, aquela usada para fazer latinha de refrigerante. Claro, o alumínio é bom para muita coisa mas a destruição que deixa atrás de si é irreversível. Brasil vende bauxita e compra latinha, chuveiro, asa de avião. Enfim, a mineração gera divisas e também destruição.

O ouro, metal nobre que a nossa sociedade preza como se fosse comestível. O ouro que dá status é o mesmo cuja mineração usa mercúrio e cianetos, que se espalham pelas águas matando plantas e animais por onde passam. E se você não sabe como é a história dos impactos ambientais da mineração de ouro, dá uma olhada aqui nesse link do MEC que contém um material completo para discussão do assunto em sala de aula.

Para se fazer um simples anel de ouro são gerados 18 ton de resíduos tóxicos.

Assim era o garimpo em Serra Pelada até poucos anos atrás:

A Serra Pelada fica na província de Carajás, a mais rica província minerária da Terra, como diz o vídeo.

E a destruição que ficou, a riqueza natural que sumiu da serra que já não tem nem matas nem água, nem bichos nem nada. Ficou pelada.

Agora, a realidade humana que nos é imposta pela indústria da mineração é bem mostrada aqui nesse curta-metragem de Antonio e Carlos Balseiro o "Payada pa’ Satán", que nos conta que “Os projetos mineiros estão nas mãos de poucas corporações globais que controlam o mercado mundial de minerais; aqueles que servem à indústria e assim como aqueles que trabalham para a especulação financeira. Estas empresas são tão poderosas que corrompem aos governos em detrimento da democracia e bem-estar social.”

E na Colômbia todo um rio foi destruído e todo um povo, a Nação Wayuú, está acuado, em sua própria terra ancestral.

Leia também: 

seta

COLÔMBIA: ROUBARAM O RIO, EXTERMINAM A NAÇÃO WAYÚU

seta

CRIME AMBIENTAL NA SERRA DO ESPINHAÇO: MAR DE LAMA DEIXA RASTRO DE DESTRUIÇÃO