Verão de lama: litoral do Espírito Santo apresenta mancha em suas águas

No mar do Espírito Santo, na cidade de Linhares, uma mancha de lama vem crescendo depois de dois meses do acidente em Mariana. Não existe previsões para que os rejeitos de minério deixem de se escoarem ao mar.

O IBAMA, o Instituto Chico Mendes e O IEMA, que acompanham o desdobrar do acidente, acreditam que a mancha triplicou de tamanho desde o domingo (3).

A mancha de lama chegou ao litoral capixaba em 21 de novembro levada pelas chuvas e pela corrente. A lama segue seu curso ao mar depois de ter sido depositada no fundo e ao longo da bacia do Rio Doce. Dada a natureza do fato, a “limpeza” não tem prazo nem previsão de acabar, assim como os malefícios que poderá causar à biodiversidade local, seguem sem que saibamos das suas consequências .

Segundo o professor de engenharia costeira do Instituto Alberto Luiz Coimbra de Pós-Graduação e Pesquisa de Engenharia (Coppe/UFRJ) Paulo Rosman, “vai depender da velocidade em que essas margens vão ser revegetadas, de modo a consolidar esse material onde está, caso contrário, sempre que chover forte no alto e médio Rio Doce, vai ser observado um aumento significativo do material em suspensão despejado no mar.”

Enquanto a lama se expande, a Samarco ainda não apresentou ao estado mineiro seu plano de emergência para conter e mitigar os danos.

Impressionante o descaso. Será que essa história terá um fim ou cairá no esquecimento do povo?

Leia também:

LAMA QUE NÃO TEM FIM: SAMARCO NÃO ASSINA TERMO PARA RESSARCIR VÍTIMAS

ONU E TRAGÉDIA EM MINAS: O QUE DIZEM OS ESPECIALISTAS EM DIREITOS HUMANOS E EMPRESAS

ONU CRITICA BRASIL POR DEMORA NO ATENDIMENTO AO DESASTRE AMBIENTAL NO VALE DO RIO DOCE

Fonte e foto: agenciabrasil