6 curiosidades sobre o maior evento do ano

Amanhã, segunda-feira 30 de novembro, Paris será o palco em que os líderes mundiais mostrarão as suas motivações pelas quais deverão absolutamente chegar a um acordo global sobre as alterações climáticas. Até 11 de Dezembro, na capital francesa será a anfitriã da COP21.

Nossa representante maior, a presidente Dilma Rousseff chegou ontem, sábado, na Cidade da Luz, entrando pelas portas do fundo do hotel Le Bristol evitando os jornalistas que a aguardavam no saguão para pelo menos receber um aceno da excelentíssima. Mas, estando o governo em meio à lama (não a da Samarco mas a da corrupção com os novos acontecimentos da semana que passou) ou para evitar pérolas como a “estocagem do vento”, a presidente se esquivou dos holofotes.

Paris está pronta para se despir do vestido preto de luto e vestir um belo vestido verde, com a esperança de que a Cimeira das Nações Unidas sobre a mudança climática satisfaça as expectativas de todo o mundo.

O que podemos esperar da conferência climática da ONU é um acordo legalmente vinculativo, que seja capaz de conter o aumento da temperatura global abaixo dos 2°C. Até agora, foram 146 os países que apresentaram suas Intended Nationally Determined Contributions, ou seja, os compromissos e ações dos governos para reduzir suas emissões globais depois de 2020.

Aqui vão algumas curiosidades para ficar à frente do maior evento do ano:

1. Petróleo, mudança climática e ameaça terrorista

Por incrível que pareça, mudança climática e terrorismo andam de mãos dadas tendo em vista que o Isis é financiado principalmente pelo ouro negro. Mas não só isso. Uma série de estudos têm mostrado que a crise de instabilidade e de refugiados na Síria estão intimamente ligados ao aumento global da temperatura.

E o terrorismo não está longe dos protagonistas da COP21. Poucos dias antes dos ataques, aviões franceses tinham atacado refinarias de petróleo e gás na área de Deir ez-Zor, infraestruturas cruciais para o Isis. Alguns especialistas supõem que a escolha de atacar a França esteja ligada à questão da energia, e por que não?, para criar um clima de terror alguns dias antes de um dos eventos mais importantes do mundo.

Entenda a ligação: REFUGIADOS: A CULPA DA CRISE MIGRATÓRIA É (TAMBÉM) DO AQUECIMENTO GLOBAL

2. Última chance para salvar o clima

Não é a enésima hipótese catastrófica. Realmente estamos quase no prazo limite. A cada ano, as temperaturas registradas globalmente excedem as anteriores e a Terra já está 0,85 graus Celsius mais quente do que os níveis de temperatura pré-industriais. Se amanhã pudermos zerar as emissões de gases de efeito estufa, o planeta ainda assim sofreria um aumento de de 0,6°C da temperatura nos próximos 40 anos, por causa das emissões passadas.

O IPCC disse que 2°C é o limite para além do qual os grandes efeitos, como o derretimento das calotas polares, aumentaria ainda mais o aquecimento, tornando o aquecimento global mundial incontrolável.

Mais informações: 2015 SERÁ O ANO MAIS QUENTE DE TODOS OS TEMPOS: NOVO RECORDE EM OUTUBRO

3. Alimentação, ausente e presente na COP21

A CIWF International denunciou a falta da questão ligada à criação animal e dos hábitos alimentares na pauta das negociações sobre mudança climática em Paris, lançando uma petição internacional para que o assunto entre na agenda da COP21, sendo estes setores importantes na produção de gases de efeito estufa. Além disso, segundo a CIWF, uma meta deveria ser posta com relação à redução do consumo de carne de 50% em até 2030 nos países desenvolvidos.

A agricultura responde por 14,5% das emissões totais de gases de efeito estufa globais, segundo a FAO. Uma porcentagem significativa, mas durante a COP21 não haverá negociações sobre a criação de animais para abate e nem tampouco para mudanças de dietas alimentares.

Por outro lado, a presença da agricultura biológica está garantida na pauta das negociações. A relação entre alimentação e clima é colocada em cheque sendo evidente e considerada necessária uma mudança de paradigma radical no atual sistema de produção, transformação, distribuição e consumo de alimentos, para mitigar a mudança climática.

Leia mais: ADEUS CHURRASCO? NEM TANTO! MAS QUANTO MENOS CARNE, MELHOR!

4. Alterações climáticas pesam mais sobre os países pobres

Um novo relatório da Oxfam calculou que, com um aumento de temperatura em 3°C nos países em desenvolvimento, custos de 790 bilhões de dólares recairiam sobre estes, para se adaptarem aos efeitos da mudança climática em até 2050. Uma cifra à qual se adicionariam as perdas que as economias dos países pobres acumulariam a cada ano, estimado em 1.700 bilhões de dólares.

A quantidade de dinheiro é absurda: 50% a mais do que a despesa prevista no orçamento em caso de um aumento da temperatura em 2°C (cerca de 520 bilhões de dólares), quatro vezes os fundos atribuídos no ano passado pelos países ricos na ajuda aos em desenvolvimento.

Leia Mais: TSUNAMIS E TERREMOTOS: A CULPA PODERIA SER DO DESMATAMENTO?

5. Povos Indígenas silenciados

Nos diferentes cantos do mundo, os povos indígenas vivem todos os dia e da maneira mais difícil, as consequências dos fenômenos como o desmatamento e a exploração indiscriminada dos recursos naturais, e lutam com os meios que têm para defenderem seus territórios. Por isso, eles desempenham um papel vital na conservação da natureza e da biodiversidade nas regiões onde vivem.

No entanto, na COP21 os direitos e as lutas dos povos indígenas, correm o risco de não serem considerados.

6. As alterações climáticas em um mural

Até mesmo a arte de rua tem o destino climático no coração. Um artista italiano, Andreco, lançou um projeto de arte internacional que inclui várias obras públicas sobre as mudanças climáticas. Um de seus projetos é um grande mural retratando a sua interpretação sobre as alterações climáticas provocadas pelo homem e suas conseqüências.

A obra foi realizada na fachada da Richomme Elementary School, em "La Goutte d'Or", o 18º distrito, no coração do bairro histórico e multiétnico de Paris.