Presidente Dilma reconhece falhas na Usina de Belo Monte

A usina de Belo Monte gera conflitos e debates antes mesmo de ter saído do papel. Por isso é importante reconhecer falhas e tentar melhorar, ao invés do discurso de que “tudo está bem”. Em Nova York, no encontro de chefes de Estados na ONU, a presidente Dilma Rousseff reconheceu as falhas na construção da usina.

Na entrevista que concedeu em Nova York, Dilma falou: "Não tenho dúvidas que tem falhas. Mas não signifique que a gente vá destruir esse processo. Pelo contrário, temos de reconhecê-las e melhorar”, avaliou a presidente.

Dilma também afirmou que o “Brasil tem de fazer todo o esforço para as empresas cumprirem com suas condicionalidades (conjunto de regras e obrigações que têm que de ser observadas pelos concessionários”. E não somente em energia hidrelétrica, mas também na construção de energia solar e eólica. E se o governo não fizer cumprir todas as condicionalidades, está errado o governo”.

A presidente fez questão de falar que os impactos devem ser os menores possíveis. Principalmente para a população atingida, das quais também fazem parte comunidades indígenas. “Agora, vamos lembrar, nós temos no Brasil acho que uma França de reserva indígena”, afirmou Dilma.

A presidente foi questionada sobre as formas de geração de energia em uma região como a Amazônia, e Dilma afirmou que não colocará uma usina de carvão no “meio da selva”, porém, que o país não pode deixar de investir e utilizar as usinas hídricas enquanto a tecnologia de estocagem de energia solar e eólica não se desenvolverem.

“Um país do tamanho do Brasil não consegue se manter se não tiver energia de base, que, até hoje, são aquelas fósseis e físseis (nuclear), como o gás, o carvão e o diesel, concluiu Dilma Rousseff.

Fato é que existem muitas maneiras de gerar energia mais limpa e renovável. Entendemos a Usina de Belo Monte por conta da necessidade de energia, mas criticamos muito do que lá acontece (até mesmo as licenças ambientais não foram dadas para a estrutura funcionar antes mesmo da usinas ser finalizada), e também defendemos maior uso de energias limpa, renováveis e alternativas.

Todas têm suas vantagens, enorme potencial e uma solução para tempos de crise.

Leia também: SEM LICENÇA DO IBAMA, BELO MONTE NÃO PODE FUNCIONAR

Fonte foto: fotospublicas.com