Vem aí o El Niño Bruce Lee

As apresentadoras do tempo ficaram famosas com seus boletins e explicações sobre as estações do ano e as mudanças meteorológicas, além dos fenômenos climáticos. O mais famoso entre eles, sem dúvida alguma, o El Niño! Pois é, e este ano, dizem os especialistas, que vem aí um dos El Niños mais intensos da história, e que deve durar até o ano de 2016.

O El Niño reapareceu no mês de março deste ano e sua duração deve se estender até o segundo trimestre do ano que vem, além de ser um dos mais intensos em todos os tempos. É o que aponta o Centro de Previsão do Clima (CPC) dos Estados Unidos.

O fenômeno acontece por causa do aquecimento das águas do Oceano Pacífico, e o CPC monitora o aquecimento que acontece em algumas zonas equatoriais do Pacífico e o aquecimento está só aumentando, o que significa que a duração do El Niño deve se esticar entre o inverno 2015-2016 no hemisfério norte antes de perder força na primavera. As chances de que isso aconteça é de 95%.

A força atual do El Niño o coloca como o terceiro mais potente da história, desde o começo da observação histórica em 1950. As ocasiões iguais ou superiores foram registradas em três momentos: 1972-73, 1986-88 e 1997-98.

Dos países da parte de cima do mapa, os EUA devem se dar bem, com chuvas mais abundantes no outono e no inverno e, acredite, eles também estão precisando de chuva e bastante, principalmente no estado da Califórnia, que deve receber chuvas mais intensas neste período.

Este El Niño deverá ser tão forte que um blog do NOAA o nomeou não oficialmente como "Bruce Lee”, e deverá causar problemas em várias partes do mundo. O fenômeno geralmente serve de amortecedor sobre a temporada de furacões no Atlântico, o que significa mais tempestades no Pacífico e até agora a atividade de ciclones tropicais no Pacífico já é muito maior do que o normal.

No Brasil e na América do Sul a tendência é de secas no nordeste brasileiro e muitas chuvas com inundações no sul do Brasil e norte da Argentina, conforme explicou à BBC Mundo, William Patzert, especialista em clima do JPL da NASA.

Fonte foto: wikimedia.org