Desmatamento na Amazônia Legal reduz em 15%

  • atualizado: 

foto

Há quem diga que o Governo Federal pretende encher a agenda do Planalto com boas notícias para tentar aplacar a crise que tomou conta do país neste ano, mas, fato é que algumas notícias são bem-vindas independentemente do motivo. É o caso da informação dada no último dia 14 pelos ministros da Ciência, Tecnologia e Inovação, Aldo Rebelo, e do Meio Ambiente, Izabella Teixeira, revelando que o desmatamento na Amazônia Legal diminuiu 15% entre os meses de agosto de 2013 e julho de 2014 na comparação com o mesmo período de um ano antes.

Os dados são do Projeto de Monitoramento da Floresta Amazônica por Satélites (Prodes), do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe). A taxa consolidada pelo Inpe, a área desmatada no período 2013/2014, foi de 5.012 quilômetros quadrados (km²), comparados aos 5.891 km² desmatados em 2012/2013.

O ministro Aldo Rebelo foi além e informou a taxa de desmatamento desde o ano de 2004 e o comparativo com o ano de 2014, com o desmatamento da Amazônia Legal caindo de 27.772 km² para 5.015km², em uma redução de 82%.

“É uma demonstração, uma ostentação de êxito da política ambiental do país que deve ser, mais que registrada, celebrada.”, avalia o ministro.

Dos estados que constituem a Amazônia Legal, Acre, Amapá, Amazonas, Maranhão, de Mato Grosso, do Pará, de Rondônia, Roraima e do Tocantins, Maranhão (36%), Tocantins (32%) e Rondônia (27%) foram os que mais contribuíram com a diminuição do desmatamento, enquanto que o Acre (40%), o Amapá (35%) e Roraima (29%) foram os que mais desmataram neste período.

O instituto mapeou 214 imagens do satélite de observação terrestre Landsat 8. O Prodes computa como desmatamento áreas maiores que 6,25 hectares com corte raso de floresta primária porque nestes casos há remoção completa da cobertura florestal. A ministra do Meio Ambiente lembrou que o estudo ainda não diferencia desmatamento legal do ilegal, mas que já trabalha para conseguir essas informações.

Agora, por exemplo, o ministério está fechando um acordo com o governo do Acre para que o estado seja o primeiro a disponibilizar para o Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama) os dados do estado.

Vai ser o primeiro estado que vai integrar a informação do que estão autorizando retirar. Em dez dias, até duas semanas, o Ibama deve receber as informações. Vamos cruzar esses dados e entender na dinâmica do território o que é legal e o que é ilegal ou sem autorização”, afirmou Teixeira.

A presidenta Dilma Rousseff celebrou a queda no desmatamento da Amazônia Legal por meio de sua conta no Twitter, sempre lembrando que este é um projeto que se iniciou no primeiro mandato do ex-presidente Lula e que agora Dilma deseja direcionar ao ponto de conquistar o desmatamento ilegal zero na Amazônia Legal.

Um objetivo que, simpatizantes ou não do governo, torcem para que seja alcançado. No caminho certo parece que, felizmente, está!

Leia também:

CONHEÇA OS SETORES QUE MAIS EMITEM GASES DE EFEITO ESTUFA NO BRASIL

siga brasile pinterest

Você está no Pinterest?

As fotos mais bonitas sempre contigo!

siga brasile instagram

Você está no Instagram?

Curta as mais belas fotos, dicas e notícias!