Desmatamento na Amazônia é do tamanho de São Paulo

Desmatamento na Amazônia é do tamanho de São Paulo

Primeiro vamos deixar claro uma coisa: o título não se refere à capital paulista (que já seria trágico, pois a cidade é enorme), mas sim ao inteiro estado de São Paulo. Em 16 anos, ou seja, entre os anos de 1997 e 2013, o desmatamento da Amazônia Legal atingiu a marca de 248 mil quilômetros quadrados, uma medida muito próxima ao tamanho do estado mais rico da União.

Os dados são da pesquisa Indicadores de Desenvolvimento Sustentável (IDS) do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) e foram divulgados no dia 19 de junho.

Pegando a metade do período em questão, oito anos, entre 2005 e 2013, o desmatamento foi 89.158 quilômetros quadrados, extensão que pode ser comparada ao tamanho de dois estados combinados, o Espírito Santo com o Rio de Janeiro.

É importante também dizer que houve desaceleração no desmatamento nestes anos quando comparado ao mesmo espaço de tempo entre os anos de 1997 e 2004 quando foi somada uma área de 159.078 quilômetros quadrados. Nesse caso, o total desmatado da Amazônia Legal superou o estado do Amapá.

Segundo o IDS, pelo menos 15% da Amazônia Legal já foi desmatada.

Outros biomas nacionais também foram pesquisados, como a Mata Atlântica, que já teve 85,5% de sua área desmatada, os Pampas, 54,2% da área original foi desflorestada, enquanto quase metade da mata nativa do Cerrado – 49,1% – não existe mais. A Caatinga teve, no período, uma área desmatada de 46,6%. Já a região do Pantanal foi o bioma menos atingido pelo desmatamento (15,4%).

No ano de 2004, 27,8 mil quilômetros quadrados foram desflorestados na região, o equivalente ao estado de Alagoas. Já em 2013, a área desmatada caiu para 5,8 mil quilômetros quadrados, comparável ao território do Distrito Federal, mas o menor percentual da série histórica foi registrado em 2012, com 4,6 mil quilômetros quadrados.

Ainda falta muito para chegar em um nível sustentável, mas já é alguma coisa.

Leia também: Adeus Florestas em 2030? Veja quais são os “pulmões verdes” mais em risco