Autuações por desmatamento na Amazônia

desmatamento na Amazônia

O desmatamento ilegal na Amazônia é sempre um assunto polêmico no noticiário brasileiro e que desperta o interesse das pessoas, mesmo aquelas que não se interessam muito por questões ambientais. Nesta semana o Instituto Brasileiro do Meio Ambiente (IBAMA), divulgou novo balanço sobre as ações envolvendo o combate ao desmatamento ilegal na Amazônia. Nos meses de agosto de 2014 e junho de 2015, foram aplicadas mais de 2,4 bilhões de reais em multas por conta da atividade ilegal na região, sendo que o estado do Pará foi o campeão das autuações, com mais de 1 bilhão de reais em sanções.

O estado do Mato Grosso ficou em segundo lugar com mais de 900 milhões de reais em multas aplicadas por desmatamento ilegal.

No total, foram registrados cerca de 5 mil autos de infração, resultantes em 143 mil hectares de terras embargadas. E mais, em fevereiro deste ano, foi preso o homem considerado o maior responsável pelo desmatamento ilegal na Amazônia, Ezequiel Antônio Castanha, o maior grileiro da BR 163. Com sua detenção, foi desarticulada uma das maiores quadrilhas atuantes na região.

Os agentes do Ibama ainda apreenderam 100 caminhões, 80 tratores e mais de 400 motosserras, além de quase 70 mil metros cúbicos de madeira. Os acusados respondem administrativamente e criminalmente pelo desmatamento.

O Imazon, organização não-governamental, informou em março deste ano que o desmatamento na Amazônia aumentou mais de 200% no comparativo com o mês de março de 2014. O Instituto monitora a região há mais de 20 anos e confirmou que mais de 1.700 quilômetros quadrados, área superior ao território da cidade de São Paulo, de floresta nativa foram desmatados. E no Pará, o desmatamento foi provocado em grande parte por conta da grilagem, que nada mais do que a invasão de terras públicas, não à toa, o estado é o que mais aplica multas contra o desmatamento ilegal.

Leia também: Imazon calcula tempo que governo precisará para legalizar terras da Amazônia