Governo brasileiro avalia desenvolvimento sustentável no país

desenvolvimento sustentavel

Nas segunda e terça-feiras, dias 4 e 5 de maio, aconteceu no Palácio do Planalto, a terceira edição da oficina “Diálogos sobre a Agenda pós-2015”, com o propósito de reunir gestores internacionais dos governos federal, estaduais e municipais. Apesar da curta duração, o encontro foi considerado proveitoso por sua ampla discussão sobre a nova agenda global de desenvolvimento sustentável.

O encontro fez um chamado aos estados e aos municípios com o intuito de aumentar a participação na definição de um modelo inovador de desenvolvimento, que está em negociação na Organização das Nações Unidas (ONU).

Na primeira mesa da oficina, a III Conferência sobre o Financiamento ao Desenvolvimento, que ocorrerá no mês de julho, em Adis Abeba (Etiópia), definirá as fontes de financiamento para pôr em prática a agenda pós-2015. O chefe da divisão de política financeira do Ministério de Relações Exteriores, Paulo Elias, avaliou que o Brasil está avançado nas negociações sobre a nova arquitetura do financiamento para o desenvolvimento, mas há desafios.

Houve também contribuição no debate com o coordenador de programas do Fundo Mundial de Desenvolvimento das Cidades (FMDV), Carlos de Freitas, que defendeu novos mecanismos na garantia de que a economia local financie o desenvolvimento nas cidades. “Acredito que o processo da III Conferência sobre o Financiamento ao Desenvolvimento, aliado à definição dos novos objetivo de desenvolvimento sustentável e à Conferência Habitat 3, garantirá outro modelo de desenvolvimento”.

Discussões sobre o clima e o papel das cidades no desafio global de reduzir os efeitos das mudanças climáticas também foram abordados.

Os temas estarão presentes na 21ª Conferência das Partes da Convenção Quadro das Nações Unidas sobre Mudanças Climáticas (COP21), em Paris, nos meses de novembro e dezembro. Lá é aguardada com grande expectativa a adoção de um acordo global sobre a redução a longo prazo das emissões de gases do efeito estufa, a monção é defendida pelo presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, o que pode fazer a grande diferença na hora do acordo.

Juntamente com as Conferências em Adis Abeba e Paris, será realizada, em setembro, a 68° Assembleia Geral da ONU, que lançará as Metas de Desenvolvimento Sustentável.

Pelo Brasil, foram convidados para participarem da assembleia membros do ministérios das Relações Exteriores, Everton Lucero; do Meio Ambiente, Pedro Cristi; da Rede de Governos Regionais para o Desenvolvimento Sustentável, Rodrigo Messias; e da Rede de Cidades e Governos Locais pela Sustentabilidade (ICLEI), Jussara Carvalho.

Fonte foto: mma.gov.br