Madeireiras buscam revogar portaria que protege árvores ameaçadas

Madeireiras buscam revogar portaria que protege árvores ameaçadas

No último dia 30, nove entidades representantes de madeireiros se reuniram com o governador do Mato Grosso, Pedro Taques, a fim de conseguir a revogação da Portaria 443/2014 do Ministério do Meio Ambiente.

A Portaria prevê a proibição total de corte, transporte, coleta, armazenamento, manejo, beneficiamento e, sobretudo, comercialização de seis espécies de madeira – Itaúba, Garapeira, Jatobá, Cerejeira, Jequitibá e Cedro –, por risco de extinção destas árvores

Os madeireiros alegam que, por conta da Portaria, a atividade deles, no estado do Mato Grosso, torna-se inviável economicamente. Os madeireiros falam em um terço do setor, que estaria paralisado, por força da decisão do Ministério. Além disso, diziam do número de empregos gerados pela atividade, cerca de 100 mil, na região da Amazônia Legal. Há planos para uma ação conjunta entre os membros da indústria madeireira que estejam em cada um dos estados que fazem parte da chamada Amazônia Legal.

Como contrapartida, o setor solicitou estudos, à Secretaria do Meio Ambiente, de modo a haver esclarecimentos sobre a real situação de cada uma das seis espécies protegidas pela determinação.

Afirmam ainda que a Portaria, baixada no fim de 2014, os pegou de surpresa e que fazem tudo adequadamente, conforme os princípios do manejo florestal, de modo a não explorar mais madeira do que o permitido por lei.

Todos os dias acompanhamos denúncias sobre crimes contra o meio ambiente praticados nos quatro cantos do Brasil e o pouquíssimo que é feito pelas autoridades públicas a esse respeito.

Nesse sentido, é de se entristecer que setores econômicos sejam contrários a uma das determinações do governo federal que visa, efetivamente, proteger o nosso meio ambiente e a existência de espécies vegetais para as próximas gerações.

Existem maneiras de contornar a situação, seguindo o rumo do desenvolvimento sustentável, que é a meta que o país do futuro, não pode perder de vista.

Leia também: Ranking de 500 entidades rumo ao desmatamento zero