Governo chinês declara guerra à poluição

China declara guerra à poluição

Os líderes chineses apresentam preocupações cada vez maiores com a qualidade do ar. O primeiro ministro chinês, Li Keqiang, disse que as causas da poluição são complexas e as soluções levarão tempo. Além das medidas e políticas adotadas, como pagamentos de compensações por parte dos poluidores e recompensas às empresas "limpas". A China conta com o uso de drones – veículos aéreos não tripulados, para a inspeção da poluição.

Com o objetivo de combater a poluição ilícita, os drones pulverizam no ar agentes químicos capazes de fazer as partículas poluentes congelarem e precipitarem. O veículo aéreo pode cobrir 70 quilômetros quadrados de terra em voos diários de duas horas e são equipados com dispositivos infravermelhos, permitindo a operação durante a noite. A utilização desses drones já foi eficiente na resolução de mais de 200 casos relacionados ao meio ambiente.

Além destes já utilizados drones, as agências governamentais chinesas estão testando um novo design de drones para o combater à poluição do ar, informou a mídia estatal. O veículo irá pulverizar produtos químicos que congelam poluentes, fazendo com estes caiam no chão. A diferença consiste no fato que este protótipo, desenvolvido pela Aviation Industry Corporation of China, tem uma asa de parapente, o que lhe permite transportar três vezes mais peso do que a versão drone de asa fixa, tornando-o mais eficiente e eficaz em termos de custos. Os testes serão conduzidos pela Administração Meteorológica da China e realizados no final deste mês de março em aeroportos e portos.

O Premier Li Keqiang declarou que seu governo vai "declarar guerra" contra a poluição. O foco seria na redução da PM2.5, as partículas finas de poluentes mais prejudiciais à saúde das pessoas.

O combate à poluição já constava na pauta da agenda do governo da China, porém a urgência se deu após uma onda de fumaça que cobriu cerca de 15% de todo o território do país, no fim de fevereiro, uma semana antes da sessão parlamentar anual, onde foi declarada urgência ao assunto. Durante a sessão anual o Vice-Ministro de Proteção Ambiental, Wu Xiaoqing, indicou que em 2013 apenas 3, das 74 principais cidades chinesas, apresentaram valores dentro do padrão de qualidade do ar.