Festa do agrotóxico no Brasil e o risco de doenças

  • atualizado: 
agrotóxicos

Em seu artigo "Os ruralistas e os agrotóxicos – Uma contranarrativa", o ex-presidente da Associação Brasileira da Reforma Agrária (ABRA), Gerson Teixeira, chama a atenção para um fato: aparentemente, não há mais pressa para que seja aprovado o Projeto de Lei 6299/2002.

Conhecido como PL do Veneno, o projeto que facilita o uso e comercialização de agrotóxicos no país está pronto para ser apreciado pela Camâra dos Deputados desde junho do ano passado. No entanto, ainda não entrou em pauta para votação, nem há pressão nesse sentido. Segundo Teixeira, haveria uma lógica por trás disso:

"Eles viram que, com o governo na mão, não precisavam aprovar a legislação. Tanto que nunca houve um ritmo tão frenético de aprovação de agrotóxicos como agora, 239 agrotóxicos aprovados. Para se ter uma ideia, o que foi aprovado neste ano, até meados de junho, é mais do que foi aprovado na União Europeia desde 2011 [229]", afirmou Teixeira, para o site DCM.

Em maio deste ano, o Repórter Brasil chamou a atenção para o grande número de doenças relacionadas aos altos índices de agrotóxicos no Estado do Mato Grosso, o maior produtor agrícola do Brasil. Elas vão desde leucemia à casos de malformação congênita e atinge, inclusive, diversas crianças da região.

O assunto também tem sido constante alvo de preocupação de pesquisadores no Brasil e no mundo. Conforme divulgado pelo G1, ainda em maio do ano passado, equipes da Associação Brasileira de Saúde Coletiva (Abrasco) e da Fundação Oswaldo Cruz (FIOCRUZ) alertam que a ingestão de agrotóxicos se relaciona à

"problemas neurológicos, motores e mentais, distúrbios de comportamento, problemas na produção de hormônios sexuais, infertilidade, puberdade precoce, má formação fetal, aborto, doença de Parkinson, endometriose, atrofia dos testículos e câncer de diversos tipos".

Talvez te interesse ler também:

PARA CONSERVAR FRUTAS SEM UTILIZAR AGROTÓXICOS, ESTUDANTE BRASILEIRO CRIA CONSERVANTE NATURAL

MAIS AGROTÓXICOS SÃO LIBERADOS PELO MINISTÉRIO DA AGRICULTURA

NA INGLATERRA, UM MATEMÁTICO DESENVOLVE UM PESTICIDA NATURAL E NÃO-TÓXICO PARA PRESERVAR ABELHAS E OUTROS POLINIZADORES

siga brasile pinterest

Você está no Pinterest?

As fotos mais bonitas sempre contigo!

siga brasile instagram

Você está no Instagram?

Curta as mais belas fotos, dicas e notícias!