Angelo e Valerio, os agricultores italianos que estão criando um mercado de sementes antigas para combater transgênicos e multinacionais

  • atualizado: 
Angelo e Valerio

Tomates pretos, 30 variedades de batatas e muito mais. Esta é a história de Angelo e Valerio que, na Puglia, estão criando um mercado de sementes antigas para combater transgênicos e multinacionais.

Angelo Giordano é um engenheiro agrônomo, enquanto Valerio Tanzarella é um advogado que trabalhou durante anos no departamento jurídico de um canal televisivo italiano. Ambos são de Ceglie Messapica e cinco anos e meio atrás eles criaram a Ex Terra, uma empresa privada mas que é também uma sociedade beneficente.

"Além de ser uma empresa lucrativa, como todas as outras, a nossa também busca objetivos éticos. Juntos, temos uma empresa que lida com sementes de variedades esquecidas, raras e preciosas, antigas e particulares, para cultivá-las, estudá-las e difundi-las", dizem eles.

Um caminho que vai contracorrente na era da Monsanto-Bayer e da Syngenta, os gigantes que produzem pesticidas e glifosato. Angelo e Valerio, por outro lado, visam melhorar e proteger a agrobiodiversidade local.

"A escolha de focar na biodiversidade tem várias razões, em primeiro lugar razões éticas e culturais. Cada território tem a sua vocação, é impensável continuar a cultivar vegetais híbridos que são o resultado de pesquisas feitas em laboratórios que não têm nada a ver com a área em que serão então cultivados depois. As tentativas de impor culturas viáveis ​​em todo o mundo, em qualquer latitude, está de fato empobrecendo e massacrando o trabalho feito pela mãe natureza e pelo homem ao longo de milhares de anos", dizem.

Tomates, batatas e muito mais

tomates variedades

Desde 2012, os dois têm mais de 7 mil variedades diferentes, incluindo 1200 tipos de tomates.

"Nós temos 20 variedades de berinjela, 200 de pimentões e pimentas, 30 de batatas, 15 de ervilhas, 15 de gralhas, 30 de feijões, 10 de grão-de-bico, 100 de melões e mais abóboras e uma videira composta por cerca de 20 variedades de uvas diferentes".

Todos os frutos de natureza extraordinária que não necessitam de fertilizantes nem de pesticidas.

"O agricultor é encorajado a usar estas sementes das multinacionais, porque elas garantem desempenho e também financiamento europeu, em detrimento da qualidade", diz Valerio.

"Um agricultor não se mete em jogo ele mesmo, porque ele é escravo de um setor do qual não pode se libertar: se eu produzir muitos tomates, a empresa transformadora tem uma máquina formatada apenas para algumas medidas específicas de 5 variedades de tomate (as mesmas sementes das multinacionais). Os fertilizantes, as máquinas para encapsular as sementes têm sempre a mesma configuração para aquelas poucas variedades de elite nas mãos da Monsanto e Syngenta. Todo o mundo agrícola é construído sobre essas poucas espécies que estão nas mãos das multinacionais", diz Angelo.

Através da troca de sementes, porém, essa rotina pode ser colocada em crise, ainda que haja o problema da legislação:

sementes antigasFonte fotos

"Se você tem tanto dinheiro, registra as variedades, inventa uma no laboratório e a registra nos registros nacionais e europeus. Este método, no entanto, é prejudicial aos pequenos agricultores que não podem gastar muito dinheiro para patentear suas pequenas variedades nem perder tempo esperando por essa patente. Sem mencionar os documentos, estudos e pesquisas, os documentos legais a serem anexados para solicitar a aprovação".

Talvez te interesse ler também:

POR QUE COMEMOS SEMPRE AS MESMAS COISAS?

WORLD SOIL DAY: COMO ESTAMOS ENVENENANDO O SOLO SEM PERCEBER

ALIMENTOS DO FUTURO: DESCONHECIDOS OU POUCO USADOS PODEM REVOLUCIONAR A ALIMENTAÇÃO HUMANA

siga brasile pinterest

Você está no Pinterest?

As fotos mais bonitas sempre contigo!

siga brasile instagram

Você está no Instagram?

Curta as mais belas fotos, dicas e notícias!