Por que dizem sim aos transgênicos?

transgênicos

O plantio, em todo o planeta, de sementes geneticamente modificadas teve um crescimento, só em 2013, da ordem de 3%, obtendo um recorde de 175,2 milhões de hectares de área plantada – conforme dados do Serviço Internacional para a Aquisição de Aplicações de AgrobiotecnologiaISAAA. Isso quer dizer que o crescimento, desde seu lançamento em 1994 – com um tomate, plantado na Califórnia, EUA –, foi multiplicado por cem.

Transgênicos no mundo

Atualmente, há alimentos transgênicos, sobretudo, em 27 naçõescom grande predominância dos EUA, Brasil, Argentina e Canadá, que, juntos, detêm 83% das áreas plantadas com sementes geneticamente modificadas de soja – com 79% - de algodão – 70% - e de milho – 32%.

Transgênicos e o dia a dia

Como já sabemos, as nossas carnes – sejam brancas ou vermelhas – e até mesmo a alimentação de veganos e vegetarianos, podem conter OGM – organismos geneticamente modificados.

Estudos científicos e a indústria do transgênico

Alguns estudos apontam conclusões a respeito do grau de toxicidade de alimentos que são plantados, tendo em vista tal tecnologia, mas não houve pressão ou força suficiente para eliminar a utilização dessas sementes – que, como observamos, vem crescendo.

Transgênicos + Agrotóxicos = fórmula made in Brazil

Na área rural do país, há uma perigosa mistura entre transgenia e agrotóxicos, cuja demanda cresceu também, recentemente – cabe lembrar que, o país é líder mundial em comercialização de agrotóxicos.

A própria FAO, organismo da ONU para a Alimentação e Agricultura, apontou 198 incidentes, considerados como de “baixo nível” para a utilização de OGM na agricultura, entre os binômio de 2010 a 2012.

Entretanto, isso não afeta uma indústria tão poderosa, que é reconhecida por movimentar muitos bilhões de dólares.

A resistência aos transgênicos

Alguns países começam a resistir e criar barreiras para o avanço dos OGM, como determinadas nações da União Europeia e da própria China.

No Brasil, também surgem algumas iniciativas nesse sentido, como a deliberação do CONSEA – Conselho Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional – que encaminhou um documento à presidente Dilma, de modo a restringir o acesso a esse tipo de semente, por acreditarem envolver riscos à produção e à saúde e que só deveriam ser liberadas, mediante regulação específica, no que se refere à biossegurança. Palavras belas, mas que não devem provocar grande impacto.

A grande mudança virá quando os agricultores começarem a sentir no bolso, o que a natureza já acusa: alterar geneticamente sementes, animais e outras formas de vida não é exatamente um bom negócio. A longo prazo é seguramente um péssimo negócio. Mas enquanto isso, as OGM continuam dando MUITO lucro.

Leia também: Argentina batalha por mais informação sobre produtos transgênicos

Fonte foto: freeimages.com