Escócia estará livre de OGM, afirma o ministro Richard Lochhead

O governo escocês decidiu proibir o uso de OGM no seu território, apoiando sua decisão na recente regra da EU, de janeiro deste ano, que permite que os países recusem individualmente “culturas geneticamente modificadas autorizadas pela União Européia”.

Segundo nota do ministério dos Assuntos Rurais da Escócia, assinada pelo ministro Richard Lochhead, a Escócia proibirá o cultivo de OGM em seu território para preservar sua marca “verde e limpa”.

“Não temos nenhuma prova de que os consumidores prefiram produtos geneticamente modificados, e preocupa-me que a permissão do cultivo transgênico na Escócia possa trazer prejuízos para a nossa imagem de país limpo e verde, pondo em causa o futuro do setor de alimentos e bebidas, que vale 14.000 milhões de libras”, disse Lochhead.

“A Escócia é conhecida no mundo todo por seu belíssimo cenário natural, e proibir a produção de culturas geneticamente modificadas irá proteger e melhorar ainda mais o nosso status de país verde e limpo” e “Não há evidência de demanda significativa para produtos transgênicos pelos consumidores escoceses. Fico preocupado que, ao permitir essas culturas na Escócia, prejudiquemos nossa terra verde e limpa, arriscando, assim, o futuro do nosso setor de bebidas e alimentos de £14 bilhões [mais de R$ 76 bilhões]”, foram as justificativas do ministro Lochhead para essa importante alteração na agricultura escocesa.

Esta posição ocorre apesar do governo britânico, ao qual pertence a Escócia, ser favorável à essas controversas culturas que usam OGM, já que as políticas agrícolas são descentralizadas, cabendo as decisões sobre os governos autônomos.

Leia também: DINAMARCA – O PRIMEIRO PAÍS QUE, POR LEI, SÓ TERÁ AGRICULTURA ORGÂNICA

Fonte foto: wikipedia.org