Como detectar os transgênicos naquilo que comemos?

  • atualizado: 

detectar os transgênicos na comida

A questão dos alimentos transgênicos é muito forte quando se trata da saúde da humanidade. Seriam estes alimentos perigosos para a nossa saúde? Os organismos geneticamente modificados (OGMS) podem, sim, causar diversos danos à saúde nossa e à da natureza, como alergia e a poluição do meio ambiente. Pior, entre os alimentos transgênicos mais produzidos estão o milho, o trigo, a batata e o arroz que, ao lado do leite, integram o Top 5 do grupo de alimentos mais consumidos no mundo inteiro.

Pensando em zelar pela saúde da população mundial, uma iniciativa coordenada pela Universidade do Porto, em Portugal, está pesquisando novos nanobiossensores e outros dispositivos baseados em nanomateriais para analisar a presença de organismos geneticamente modificados.

Outras instituições de ensino e pesquisa colaboram com a universidade portuguesa. Entre elas o Instituto de Física de São Carlos (IFSC), da USP com o projeto batizado de “Monitoring Genetically Modified Organisms in Food and Feed by Innovative Biosensor Approaches”.

Além do Brasil outros centros de pesquisa da Espanha, França, Argentina e também de Portugal, participam do projeto. Todos sobre a coordenação da pesquisadora Cristina Delerue-Matos da universidade matriz.

O projeto oferece, além da troca de informações entre os profissionais da área, workshops para a disseminação do conhecimento obtido dentro da comunidade científica. Um exemplo disso ocorreu no mês de janeiro, o professor Valtencir Zucolotto, coordenador do Grupo de Nanomedicina e Nanotoxicologia, do IFSC, recebeu professora Beatriz Lópes-Ruiz, especialista na área farmacêutica e docente da Universidad Complutense de Madri, na Espanha.

Beatriz Lópes-Ruiz ficou impressionada com a estrutura do IFSC e se revelou muito esperançosa em relação com o impacto que o projeto pode alcançar, devido a mobilidade massiva despertada em torno da comunidade científica sobre o tema. A jovem pesquisadora Maria Cristina Freitas já finalizou o seu mestrado em Portugal e pretende iniciar seu doutorado nos laboratórios do IFSC, o que reforça o crescente interesse da comunidade científica e o intercâmbio entre os grupos da iniciativa.

Outro aspecto bastante positivo do projeto, se não o mais importante, é a sua contribuição à saúde pública. A melhoria nas técnicas que o IFSC e os outros grupos ligados a iniciativa, permitirão criar dispositivos que detectem a quantidade exata de transgênicos nos alimentos consumidos por você.

“Na União Européia existe uma legislação direcionada a alimentos biotecnológicos. Se um produto alimentício tem mais de 0,9% de transgênicos em sua composição, deve haver uma etiqueta alertando o consumidor”, explica a pesquisadora Maria Cristina.

Nos Estados Unidos, esse processo é facultativo a partir de 0,5%, enquanto que no Brasil a quantidade é raramente identificada nas embalagens dos alimentos. Mesmo assim, Maria Cristina acredita que o alerta nas embalagens poderá vigorar em nosso país: “No Brasil, já tenho encontrado muitos pacotes de alimentos com o alerta de transgênicos”, conclui a pesquisadora.

Leia também:

Alimentos geneticamente modificados. O que são? Onde são produzidos? Quais são seus danos?

Transgênicos até na cerveja!

siga brasile pinterest

Você está no Pinterest?

As fotos mais bonitas sempre contigo!

siga brasile instagram

Você está no Instagram?

Curta as mais belas fotos, dicas e notícias!