Cara-roxa, um papagaio brasileiro antes em extinção, agora em recuperação

  • atualizado: 
Cara-roxa-papagaio

O cara-roxa, Amazona brasiliensis, é um papagaio colorido, muito bonito e vistoso, que habita as áreas de restinga de Mata Atlântica no litoral de São Paulo e Paraná. Esteve à beira da extinção pela pressão das derrubadas de matas de restinga, onde encontra seu habitat e agora está em franca recuperação.

Nas restingas de Itanhaém o cara-roxa, sempre aos pares, é visto nas árvores de pera (Pera cf. glabrata), nativa, em coqueiros e outras frutíferas que fazem parte do seu rol de alimentos.

A boa notícia é que o cara-roxa está recuperando sua população nos litorais de São Paulo e Paraná após um declínio acentuado.

Hoje já se contam mais de 7 mil indivíduos em vôo livre pelos nossos céus, segundo a Sociedade de Pesquisa em Vida Selvagem e Educação Ambiental (SPVS), uma das organizações ambientalistas nacionais que trabalha para a recuperação da espécie, pela preservação dos nichos, áreas de alimentação e matas contínuas.

O cara-roxa é importante por que?

Bem, essa lindeza é bem nossa - um dos papagaios endêmicos da Mata Atlântica, bioma brasileiro. Isso quer dizer que só existe cara-roxa aqui, nas nossas terras e na região onde ainda subsiste o bioma Mata Atlântica, um dos mais ameaçados no nosso país.

Projeto de Conservação do Papagaio-de-cara-roxa

O Projeto de Conservação do Papagaio-de-cara-roxa foi criado em 1998 pela SPVS e funciona com a ajuda de voluntários: "São estudantes, pesquisadores e moradores do entorno das áreas de conservação, dispostos a colaborar com a preservação da biodiversidade da região", diz Elenise Sipinski, coordenadora do projeto.

O monitoramento em campo é feito durante o período reprodutivo das aves e o projeto inclui, aparte a contagem de indivíduos, a implantação de ninhos artificiais, programas de educação para a conservação da natureza, ações locais de conscientização e iniciativas de combate à captura e comércio ilegais e ao desmatamento.

"Sempre somos procurados por mais candidatos a voluntariado do que conseguimos atender. São estudantes, pesquisadores e moradores do entorno das áreas de conservação dispostos a colaborar com a preservação da biodiversidade da região", comemora Sipinski.

O desmatamento é um dos mais sérios riscos que corre o papagaio-da-cara-roxa já que, pela destruição da sua fonte alimentar, as árvores frutíferas da restinga. O cara-roxa também se alimenta de insetos e sementes.

Mas, o principal fator de redução das populações de cara-roxa é a derrubada das árvores onde nidificam - em geral, nos ocos de coqueiros nativos - pois, os casais de cara-roxa só colocam seus ovos na mesma árvore e, se esta for derrubada, não fazem mais a procriação.

As maiores populações de Amazona brasiliensis, segundo o censo de 2017, estão em áreas preservadas dos parques e reservas ecológicas como o Parque Nacional do Superagui (2.295 papagaios) e na Estação Ecológica da Ilha do Mel (1.600), Unidades de Conservação dos municípios de Paranaguá e Guaraqueçaba (PR). "Este dado reforça o quanto a preservação de toda a região é importante para a sobrevivência do papagaio-da-cara-roxa, que se desloca por todo o litoral em busca de alimento e abrigo", afirma. E mais ainda, há que se ter em conta a necessidade de maciços vegetais contínuos para que o equilíbrio ambiental do bioma se mantenha preservado também.

Apesar de passarinho voar, e o céu não ter limites, a preservação deles depende, claro, do que tempos na terra, bem fincado e produzindo, das águas que alimentam as matas, da matéria orgânica acumulada na serapilheira da floresta.

Fonte SPVS. Foto Zig Koch

siga brasile pinterest

Você está no Pinterest?

As fotos mais bonitas sempre contigo!

siga brasile instagram

Você está no Instagram?

Curta as mais belas fotos, dicas e notícias!