Carne Grelhada ou na Chapa Aumenta o Risco de Diabetes

Voltamos a falar da carne cozida na grelha ou na chapa, desta vez associada ao risco de diabetes. Uma pesquisa norte-americana reascende os holofotes sobre este alimento muito discutido e sobre seus métodos de cozimento.

De acordo com o estudo conduzido pela Harvard T.H. Chan School of Public Health de Boston e publicado no Diabetes Care, quem consome carne grelhada com frequência, ou feita na chapa, tem aumentada a probabilidade de desenvolver diabetes. E isto é especialmente verdade para as mulheres.

A equipe de pesquisa norte-americana tomou como amostra cerca de 59 mil mulheres que foram avaliadas especificamente em quantas vezes por semana consumiam carne cozida destas formas.

Assim, viu-se que aquelas que consumiram 2 vezes ou mais por semana tiveram um risco de diabetes tipo 2 aumentado em 20-30%, em comparação com aquelas que consumiam carne apenas uma vez por mês.

Carne perigosa

Mas por que a carne na grelha ou na chapa é mais perigosa do que outras variantes de preparação?

Porque com as altas temperaturas, vêm liberadas substâncias com poder inflamatório prejudiciais à nossa saúde, como explicou Roberto Miccoli, do Departamento de Medicina Clínica e Experimental da Universidade de Pisa:

“Quando se cozinha em temperaturas muito elevadas, como acontece com a grelha, certas substâncias que compõem a carne, tais como proteínas, carboidratos e creatina, formam os chamados HCA, ou seja, as aminas heterocíclicas. Em particular, as encontramos nas partes chamuscadas, pretas, presentes na superfície da carne cozida. Além disso, considera-se também substâncias que se desenvolvem quando a gordura da carne entra em contato com as brasas ardentes e pega fogo, são as substâncias chamadas HAP (hidrocarbonetos aromáticos policíclicos). A fumaça que contém estes HAP’s penetram na carne. Os HPAs também se encontram na fumaça do cigarro e nas carnes defumadas. Todos estes produtos estão associados ao câncer, à obesidade, à inflamação e à resistência à insulina “

São várias as pesquisas que ligam o consumo excessivo de carne à doenças:

Para evitar problemas, cozinhar de modo correto pode fazer a diferença, além de diminuir o consumo de carne, claro! Uma pesquisa precedente havia sugerido reduzir ao mínimo o cozimento ao forno, à grelha e a fritura, preferindo o cozimento ao vapor ou fervido.

Veja no artigo abaixo, como reduzir os riscos do consumo de carne, através do seu método de cozimento.

Talvez te interesse ler também:

CARNE DE PORCO: PENSE BEM ANTES DE COMÊ-LA

O QUE ACONTECERIA SE VOCÊ PARASSE DE COMER CARNE?

QUER VIRAR VEGETARIANO? VEJA UM PASSO A PASSO QUE PODE FACILITAR TUA DECISÃO

Sobre Redação GreenMe

Redação GreenMe
greenMe.com.br é um site de informação sobre meio ambiente e saúde, criado para levar ao grande público, a consciência de que um mundo melhor é possível, através de um comportamento respeitoso com todas as formas de vida.

Veja Também

Comer ou não comer: eis a questão. A culpa e as leis da alimentação

Será que comer ou não comer deveria mesmo ser uma questão? Afinal, comer nos mantém …