Plantas podem “sentir” quando estão sendo atacadas

Plantas podem “sentir” quando estão sendo atacadas

Em uma descoberta muito interessante, que promete mexer com corações e mentes de pessoas sensíveis em geral – e veganos e vegetarianos, em particular – cientistas norte-americanos chegaram à conclusão de que vegetais podem nos ouvir e, mais ainda, reagir, com a ameaça de ser devoradas por predadores.

A novidade vegetal

O estudo, feito na Universidade de Missouri-Columbia, nos Estados Unidos, constatou que as plantas reagem a determinados sons realizados por lagartas, no momento em que são devoradas pelas mesmas. Inclusive, a perspectiva apenas do ruído, já faz com que plantas reforcem suas defesas.

Um fato conhecido

Um fato que em estudos anteriores era já comprovado, era o de que determinados sons podem provocar modificações em relação ao crescimento de plantas. Contudo, este estudo é o primeiro exemplo de um vegetal que tenta, de fato, se proteger do “ataque” de um predador.

O experimento

A experiência foi feita, analisando três possibilidades: na primeira, lagartas foram colocadas sobre uma planta pequena, de nome Arabidopsis thaliana – que se parece com uma couve – e projetaram um laser em uma região reflexiva da superfície do mesmo. Assim, foram medidas as diferentes maneiras por meio das quais a planta “respondia” à mastigação da lagarta.

Na segunda análise, foi retirada a lagarta e, por meio de um gravador, reproduziram o som das vibrações que a lagarta provocava, no ato da mastigação. Em uma terceira versão, a planta ficou em um ambiente silencioso – e só depois as lagartas foram introduzidas.

Resultados incríveis

Com o acréscimo das lagartas, mais visível no terceiro cenário, a planta começou a produzir intensamente óleo de mostarda, que nada mais é que uma substância “repelente” de predadores.

Um dos responsáveis pelo estudo, o cientista sênior Heidi Appel, afirma que conseguiram obter o primeiro exemplo da história sobre como uma planta pode responder à uma vibração relevante.

Com isso, as vibrações de um “ataque” alteram metabolismo celular da planta, criando, desse modo, mais substâncias químicas de defesa, para repelir os predadores.

Agora, o desafio será o de fazer novas experiências a fim de descobrir qual a maneira pela qual as plantas fazem a identificação das vibrações, enquanto são devoradas.

Essas descobertas têm tudo para movimentar a consciência vegana e suas argumentações, que em geral, colocava os vegetais como passíveis de servir de alimento, em detrimento de produtos de origem animal, por conta do sofrimento imposto. Mas como reagir e se comportar diante de uma descoberta como essa?