O que acontece ao nosso corpo quando comemos? Um museu em Londres nos conta

  • atualizado: 

British museum

O que acontece com uma maçã quando ela é ingerida? A esta, e a muitas outras perguntas, irá responder o British Museum of Food, que será o primeiro museu de alimentos no mundo e abrirá suas portas amanhã, sexta-feira 23 de outubro, no Borough Market, o mercado histórico alimentos em Londres.

Será a primeira instituição cultural dedicada à história, evolução, ciência, sociologia e à arte da alimentação, conforme as palavras da equipe Bompas & Parr, a gigante internacional do food design que projetou o museu.

"A comida tem uma história tão fascinante vinculada à política, à tecnologia, à sociedade", diz Harry Parr.

"Atualmente existe uma maior atenção sobre os alimentos em todas as suas formas. Esperamos mudar a percepção das pessoas, fazendo-as pensar sobre o que comem, sobre a importância da cultura alimentar e também esperamos vir a ser uma plataforma para a experimentação e a inovação", diz Sam Bompas.

Depois do Empathy Museum, Londres se confirma como uma cidade na vanguarda da compreensão de quais são as necessidades dos seus moradores.

O Museu Britânico da Alimentação, em livre tradução, terá suas portas abertas apenas por três meses. Será portanto uma instalação temporária, mas é possível que, posteriormente, se encontrarem patrocinadores, o museu venha a ser um lugar permanente.

Como funcionará

Serão dois andares dedicados à conscientização dos visitantes que serão convidados a reavaliar a relação deles com a comida, transmitindo os princípios de uma alimentação saudável e ajudando a melhorar a saúde das pessoas, explicando os aspectos de cada coisa que comemos e bebemos.

foto

Comida é arte

Dos campos, para a mesa, à boca...e muito mais, esse é o slogan que o BMoF promete trazer à reflexão a dimensão cultural dos alimentos.

Tudo começa com uma viagem digital para descobrir o caminho que faz a comida dentro do corpo humano, passando pelo Atelier do gosto, seção histórica dedicada aos melhores menus do período vitoriano, para se chegar aos 6 salões temáticos no final.

Um destes salões, o Choco-Phonica, é dedicado ao chocolate, onde os visitantes serão os protagonistas do projeto científico do Professor Charles Spence. À cada participante será oferecido chocolate, servido dentro de uma cabina acústica com várias trilhas sonoras de fundo. O objetivo da pesquisa é entender como o som pode alterar o sabor do alimento.

foto

Em suma, o museu é um projeto-piloto que poderia se tornar um centro de pesquisa institucional sobre a cultura alimentar. Os três meses de exposição servirão de testes para a criação permanece de um museu de alimentos que realmente seja capaz de mudar os maus hábitos alimentares da população.

A ideia foi livremente adaptada dos temas da Expo 2015, e esperamos que o museu faça sucesso e que a ideia de alimentar o planeta de formas saudável e sustentável seja difusa em todo o mundo. Que tal?

Leia também:

EM LONDRES, A PRIMEIRA PISCINA QUE UTILIZA PLANTAS PARA PURIFICAR A ÁGUA

QUEM É O MELHOR JOGADOR DO MUNDO? UMA FORMA INTELIGENTE DE REDUZIR A BITUCA NAS RUAS DE LONDRES

EM LONDRES UMA SUPERCICLOVIA NUNCA ANTES VISTA

siga brasile pinterest

Você está no Pinterest?

As fotos mais bonitas sempre contigo!

siga brasile instagram

Você está no Instagram?

Curta as mais belas fotos, dicas e notícias!