Programa do Ministério da Saúde reduz sal dos alimentos industrializados

reduz sal

Os resultados de um acordo feito em 2011 entre o Ministério da Saúde e a Associação das Indústrias da Alimentação (Abia), foram divulgados nesta semana. O acordo tratava da redução de sódio nos alimentos industrializados e os resultados apontam uma redução de 7.652 toneladas de sódio em 3 anos (2011-2014). A meta até 2020, é de reduzir até 28.562 toneladas.

Este acordo afeta a quantidade de sódio existente em alimentos pré-elaborados e as reduções mais elevadas foram atingidas em rocamboles (21,1%), bolo aerado (16,6%), maionese (16,23%), bolos prontos sem recheio (15,8%).

Em outros alimentos essas reduções foram menores, porém igualmente significativas para a saúde do consumidor. Nesta etapa do Plano Nacional de Redução de Sódio em Alimentos Processados foram analisados biscoitos, bolos, maioneses e salgadinhos de milho (snacks), mas o programa prevê a redução da quantidade de sódio também nos laticínios e embutidos, sendo que nestes últimos verifica-se quantidades extremas tanto de cloreto de sódio quanto de nitrato de sódio, responsável pela manutenção da cor “vermelha-saudável” das salsichas, mortadelas e outros semelhantes.

Segundo Arthur Chioro, Ministro da Saúde, “não adianta comemorarmos a retirada de mais de 5 mil toneladas de sódio se não tivermos capacidade de trabalhar na alimentação, na merenda escolar e na retirada do saleiro da mesa”.

Sabe-se que o excesso de sódio na alimentação cria uma série de problemas de saúde de enorme incidência na população, como são os casos de hipertensão arterial e outras doenças cardiovasculares, osteoporose, doenças renais, câncer de estômago e doenças oftalmológicas.

A redução de sódio nos alimentos industrializados obrigou as empresas a buscarem substitutos a este em suas receitas. Em 2013, segundo o levantamento em questão, dos 839 produtos analisados, o 95% teve a quantidade de sódio reduzida. Este total corresponde a 69 empresas, e as que não obtiveram a redução esperada foram notificadas.

Leia também: Óleo de soja GM: saiba porque é prejudicial à saúde

Fonte foto: freeimages.com