Florestas de matadouro: assim a carne está destruindo a maior floresta tropical seca da América do Sul

  • atualizado: 
Florestas de matadouro

Não apenas a Amazônia, mas também a Gran Chaco, a maior floresta tropical seca da América do Sul e a segunda maior floresta tropical da América Latina. Ali também o desmatamento atingiu taxas espantosas, principalmente devido à criação e expansão de plantações de soja geneticamente modificadas.

Algumas grandes empresas argentinas dedicadas à produção e processamento de carne (que exportam para a Europa e Israel) são os principais responsáveis pelo desaparecimento das florestas. A denúncia foi feita pelo Greenpeace, que acaba de publicar o relatório "Florestas para abate", resultado de uma investigação que durou mais de um ano.

O Gran Chaco cobre uma área de mais de 1,1 milhões de quilômetros quadrados em três nações: Argentina, Paraguai e Bolívia. É o lar de 4 milhões de pessoas, entre as quais cerca de 8% são membros de povos indígenas. Não é preciso dizer que a subsistência, cultura e tradições deles dependem da floresta.

desmatamento chaco mapa

Ali vem sendo registrada  uma das maiores taxas de desmatamento do mundo e, como declara Martina Borghi, do Greenpeace Itália, trata-se de um

"problema particularmente evidente na Argentina, país que se estabeleceu como um importante produtor, consumidor e exportador de carne bovina e que, atualmente, é o sexto do mundo, seja em termos de número de cabeças de gado, seja considerando a produção e exportação de carne".

Segundo dados do Ministério do Meio Ambiente argentino, entre 1990 e 2014, 7.226.000 hectares de florestas foram destruídos no país, uma área igual à da Holanda e da Bélgica juntas. 80% deste desmatamento está concentrado em quatro províncias do norte do país: Santiago del Estero, Salta, Chaco e Formosa.

"O jaguar, um animal emblemático que já habitou vastas áreas da América Central e do Sul, corre o risco de desaparecer. Estima-se que haja menos de vinte na parte argentina do Gran Chaco", disse Borghi. Para salvá-los, o Greenpeace Argentina, representado por um grupo de advogados, fez um requerimento ao Supremo Tribunal do país para que se reconheçam os direitos legais do jaguar. "Se entidades inanimadas, como empresas e sociedades, podem ter seus direitos reconhecidos, também os seres vivos encontrados na natureza devem ter essa possibilidade”.

desmatamento chaco jaguar

Em 2018, a Argentina foi o segundo maior exportador de carne para a Europa, depois do Brasil. Ao longo dos anos, as exportações apresentaram uma tendência crescente. De acordo com o Observatório do Mercado de Carne da União Europeia, nos dois primeiros meses de 2019 a Argentina foi o principal fornecedor de carne fresca e moída na Europa.

"No ano passado, só a Itália importou 5.800 toneladas de carne fresca da Argentina, principalmente a região da Emilia-Romagna, que hospeda a maioria das empresas de processamento e distribuição de carne", declarou Borghi.

No entanto, a situação está destinada a se tornar ainda mais alarmante. Recentemente, a União Europeia e o Mercosul - grupo formado por Argentina, Brasil, Paraguai e Uruguai, países que formam o mercado comum da América do Sul - concluíram um acordo de livre comércio com o qual os dois blocos são determinados, entre outras coisas, a incrementar as trocas, aumentando a importação de matérias-primas agrícolas da América do Sul para a Europa, com riscos consideráveis para o meio ambiente e para os direitos humanos.

Entre os produtos em questão estão a carne bovina, aves e soja destinada à ração animal. Ou seja, justamente os produtos que ocupam o primeiro lugar entre as causas da destruição das florestas sul-americanas.

As empresas que exportam e importam carne da Argentina devem, então, ser convidadas a tornar sua cadeia de fornecimento transparente e livre de desmatamento e violação dos direitos humanos. Mas

"até a União Europeia terá que fazer a sua parte, com uma legislação capaz de garantir que os produtos comprados pela Europa não tiveram sérios impactos no meio ambiente e nos direitos humanos em outras partes do planeta", conclui Borghi.

E de nossa pequena e limitada parte, o que devemos fazer?

desmatamento chaco pecuaria 1

desmatamento chaco pecuaria 2

Nós exigimos, como consumidores e cidadãos desta Terra, que o que resta das florestas permaneça como um patrimônio a ser protegido. Enquanto isso, repense o seu consumo de carne. 

Talvez te interesse ler também:

CARNE BOVINA BRASILEIRA CONTINUA AMEAÇANDO A SAÚDE DA MAIOR FLORESTA TROPICAL DO MUNDO

ESPECIALISTAS ALERTAM: É HORA DAR UM CORTE À CARNE VERMELHA

7 RECEITAS DE BACON VEGANO (SEM CARNE NEM PEIXE)

siga brasile pinterest

Você está no Pinterest?

As fotos mais bonitas sempre contigo!

siga brasile instagram

Você está no Instagram?

Curta as mais belas fotos, dicas e notícias!